Botafogo-SP rescinde com três jogadores após atos de indisciplina em vitória contra Ypiranga

(Foto: Raul Ramos/Divulgação/Ag. Botafogo)

Por Nicholas Araujo
Ribeirão Preto, SP


A vitória por 3 a 0 contra o Ypiranga-RS no último fim de semana não foi o suficiente para acalmar o nervosismo no Botafogo-SP. Isto porque o clube dispensou três jogadores titulares nesta quarta-feira (6) por causa de um ato de indisciplina ocorrido na concentração do time em Erechim (RS).

Os jogadores dispensados são: Garré, que chegou por empréstimo do Santo André, e teve o vínculo rescindido por justa causa. Os outros dois são Jheimy e Everton Heleno, que pediram a rescisão contratual. O diretor de futebol Léo Franco fez um breve comunicado para a imprensa na terça-feira à tarde.

O clube não explicou o real motivo da dispensa, mas especula-se que os atletas teriam se excedido durante a folga concedida pela comissão técnica após a vitória sobre o Canarinho.

Em entrevista ao site Globo Esporte, Jheimy não entrou em detalhes sobre o ocorrido, mas definiu a atitude da diretoria perante a dispensa como “radical”.

“Ainda estamos processando o que aconteceu. Realmente houve indisciplina, mas não vem ao caso o que aconteceu lá. Não foi nada absurdo, aconteceu um erro e reconheço. Acho que eles [diretoria] foram um pouco radicais, já vi muita coisa pior no futebol, poderia ter sido contornado, mas respeito, até porque, quando estamos errados, você tem que escutar e acatar a decisão”, disse.

“É complicado. Tenho 12 anos de carreira, vou fazer 30 anos de idade. Nunca tive um problema de ter multa por atraso, por exemplo. Mas não guardo mágoa, só tenho elogios aos profissionais do Botafogo, o Léo Franco, o Léo Condé. Torço muito pelo acesso. Só agradeço ao clube. Queria estar ajudando o clube no acesso, até pelo momento que estávamos. Sempre procurei ser homem, sabem da minha índole. Mas respeito a decisão, bola pra frente”, comentou.

Confira na íntegra o comunicado do diretor Léo Franco:

“Após o domingo, no jogo em Erechim, tivemos problema comportamental dos nossos atletas. Após o retorno, resolvemos apurar devidamente e individualmente quais foram os problemas. Tivemos uma conversa com alguns atletas e, após a conversa, tomamos a decisão, em conjunto com esses atletas, de fazer a rescisão: é o Jheimy, Everton Heleno e Garré.

O Jheimy e Everton Heleno nós conversamos e eles acharam por bem não continuar no clube, eles apresentaram um pedido de rescisão e agente aceitou. O Garré, em razão de ser atleta emprestado, estamos fazendo a rescisão do contrato dele por justa causa. São problemas que a gente, infelizmente, não gostaria de estar passando.

De uma certa forma é uma derrota. Desde o início do ano a imprensa e a comunidade, a torcida, sabe dos problemas que tivemos no ano passado. Este grupo, desde o final do ano passado e agora [com as mudanças para a Série C], vem dando mostra que honra a camisa do Botafogo. Certas coisas não podemos deixar passar em nome de um bem maior, que é a competição e o que a gente almeja para a instituição. Temos certeza de que temos um grupo qualificado, temos oportunidade de trazer mais atletas, estamos atentos a isso. Em razão disso, o Jheimy, Everton Heleno e Garré não continuarão. Eles não treinaram ontem e estão afastados de suas atividades.

As questões estão sendo resolvidas internamente, a conversa com os atletas já foi feita. Já estamos na formalização do processo rescisório. Ao final das contas, no dia de ontem [terça-feira] e no dia de hoje [quarta-feira], tivemos uma conversa bem feita, às claras, de ambas as partes e que culminou com o pedido de demissão de dois atletas, pedido esse aceito pelo Botafogo.

O time alcançou uma pontuação superior em relação aos últimos dois anos na Série C. Se pegar a pontuação após a oitava rodada em 2016 e 17, não chegou a 15 pontos [pontuação atual]. Temos o segundo maior número de vitórias, segundo melhor ataque da competição, a melhor defesa, tem o segundo melhor aproveitamento da competição. É óbvio que isso, essa pontuação, passou pela ajuda destes atletas que estão liberados, mas não só por eles.

Temos confiança no trabalho que tem sido feito pela comissão técnica e diretoria, e a gente não abre mão de certos princípios. Daí a razão maior de termos tomado essa decisão e ter aceitado o pedido de rescisão dos atletas. Peço desculpas de não abrir para perguntas em razão de outras questões que temos de resolver internamente. Qualquer que seja a pergunta, está respondida em tudo isso que falei, não há nada diferente para falar do que eu acabei de dizer aqui e agora. Peço a confiança da comunidade botafoguense no projeto que tem sido desenvolvido. A diretoria tem sido presente em todos os momentos do Botafogo e isso é uma prova disso”