domingo, 24 de junho de 2018

Com três do novo artilheiro Harry Kane, Inglaterra atropela Panamá e se classifica

 (Foto: Reuters)


Com enorme facilidade, e visivelmente tirando o pé no segundo tempo, a Inglaterra atropelou o Panamá em Nizhny Novgorod, neste domingo: 6 a 1, maior goleada da Copa até o momento, sendo que a etapa inicial terminou em 5 a 0. O resultado classificou não só a Inglaterra, mas também a Bélgica, que havia goleado a Tunísia no sábado. O destaque inglês, claro, foi Harry Kane. O atacante do Tottenham fez três gols, chegando a cinco e deixando para trás Cristiano Ronaldo e Lukaku na artilharia da Copa do Mundo.

Com a vitória, a Inglaterra se igualou à Bélgica com seis pontos, oito gols marcados e dois sofridos no Grupo G. As duas equipes se enfrentam na quinta-feira, em Kaliningrado, e os ingleses jogarão pelo empate porque têm menos cartões amarelos do que os belgas: foram duas advertências contra três da Bélgica. Vale lembrar que o primeiro do Grupo G pode cruzar com o Brasil nas quartas-de-final, caso a seleção de Tite confirme o favoritismo e passe em primeiro no Grupo E. CLIQUE AQUI e saiba mais.

O primeiro gol da história do Panamá em Copas do Mundo saiu do pé direito de Felipe Baloy. Aos 37 anos, o zagueiro com passagens por Grêmio e Atlético-PR deixou o banco de reservas no segundo tempo e emocionou todo um país. A emoção do gol panamenho foi maior do que a tristeza pela goleada sofrida: Baloy chorou, apontou para o banco de reservas e foi abraçado pelos companheiros. O técnico Hernán Dario Gomez sorriu e aplaudiu o momento histórico. Baloy, que tem 101 jogos pelo Panamá, vai se aposentar depois da Copa. CLIQUE AQUI e leia mais sobre a emoção de Baloy e de todos os panamenhos.

Sem forçar, a Inglaterra atropelou o Panamá ainda na etapa inicial. O primeiro gol foi logo aos sete minutos, com Stones, de cabeça, aproveitando escanteio cobrado por Trippier (os dois gols da vitória sobre a Tunísia já haviam saído de escanteio). Kane ampliou de pênalti aos 21. Lingard fez o gol mais bonito da partida aos 35, tabelando com Sterling e mandando no ângulo esquerdo de Penedo. O quarto saiu aos 39, novamente com Stones, de cabeça, aproveitando jogada ensaiada de falta. O quinto também foi de pênalti, mais uma vez de Kane, aos 45. Que passeio, amigo!

Depois do intervalo, uma imagem curiosa: o técnico do Panamá, o colombiano Hernán Darío Gómez, foi até o banco do Panamá para conversar com o colega inglês, Gareth Southgate. Pelo gestual, parecia pedir para a Inglaterra baixar o ritmo. Coincidência ou não, foi isso o que aconteceu. O segundo tempo só não teve cara de amistoso porque os jogadores do Panamá se mostravam extremamente pilhados, encarando os ingleses a cada dividida. Mesmo assim, a Inglaterra conseguiu ampliar - e sem querer. O chute de fora da área de Loftus-Cheek desviou em Kane e entrou - terceiro gol do centroavante inglês, que chegou a cinco e se tornou o artilheiro da Copa. Na sequência, Southgate começou a rodar o time. Tirou Kane, Lingard e Trippier para colocar Vardy, Delph e Rose. O Panamá fez seu gol de honra aos 32, com Baloy, 37 anos, ex-zagueiro de Grêmio (2004) e Atlético-PR (2005). Detalhe: ele chorou na comemoração.

A bola aérea tem se mostrado a principal jogada da Inglaterra nesta Copa do Mundo. Até o momento, são quatro gols em dois jogos – três de escanteio e um de falta (ensaiada, aliás) –, contra Tunísia (2 a 1) e Panamá (6 a 1). A tática nos escanteios é clara: os zagueiros Stones e Maguire se posicionam na entrada da área e deixam um colega (geralmente Henderson) fazer o trabalho de correr no primeiro pau, puxando a marcação. No primeiro gol contra a Tunísia, Stones cabeceou, e Kane fez no rebote; no segundo, Maguire desviou, e Kane mandou para a rede. Diante do Panamá, Stones reinou absoluto. Abriu o placar aos 7, completando escanteio batido por Lingard, e depois fez no rebote (de Sterling), em falta ensaiada que contou com levantamento para Kane e cabeçada para o centro da área.

Globo Esporte