terça-feira, 19 de junho de 2018

Possível racha no elenco e briga em treino: rival do Brasil, Costa Rica vive turbulência

(Foto: Reuters)


A Costa Rica não vive uma boa fase antes de encarar o Brasil. Muito pelo contrário. O ambiente costarriquenho não é nada bom tanto dentro, quanto fora de campo. Como se não bastasse a derrota na estreia para a Sérvia, mensagens anônimas andam circulando em grupos de WhatsApp, dizendo que o grupo está rachado. De um lado os jogadores que atuam na Europa, do outro os que jogam na MLS (Major League Soccer), a liga dos Estados Unidos.

Segundo o "Diário Extra", da Costa Rica, o elenco possui três grupos, liderados por Keylor Navas, Celso Borges e Bryan Ruiz, capitão da equipe.

Um episódio reforçou os rumores da rede social. O atacante Johan Venegas, que joga no Minnesota United-EUA, e o zagueiro Giancarlo González, do Bologna-ITA, se estranharam no treino desta segunda-feira.

A equipe brincava em uma "roda de bobo", quando González chutou a bola e derrubou Celso Borges. Venegas não gostou, foi tirar satisfação e os atletas discutiram. (veja no vídeo abaixo, do "Diário Extra", da Costa Rica)

Por meio de sua conta no Twitter, Venegas desmentiu a briga com Pipo e ainda afirmou que "o grupo está mais unido do que nunca".

- Não, senhores. Pipo e eu não brigamos e nem estamos bravos. A dinâmica do treinamento nos leva a brincar dessa e outras formas. Lamentavelmente, depois de uma derrota querem colocar tudo da pior forma. A única verdade é que estamos mais unidos do que nunca e dispostos a lutar até o último minuto.

O elenco da Costa Rica voltou a treinar nesta terça-feira, em São Petersburgo. Venegas falou com a imprensa e se fez de desentendido quando perguntado sobre o episódio do dia anterior.

- De que vídeo estão falando? - disse o atacante.

O também atacante Marcos Ureña veio a público para colocar panos quentes na discussão da atividade de segunda-feira e desmentir a informação de que o grupo da Costa Rica estaria rachado.

- Eu testemunhei o que aconteceu. Foi uma discussão normal. Nós sabemos que estamos unidos, o que aconteceu ontem por causa da derrota vai ser muito aumentado.

Tudo o que foi dito é mentira. Não há divisão entre Europa, MLS ou Costa Rica. O resultado contra a Sérvia nos doeu muito, mas estamos unidos pensando no Brasil - disse Ureña.

Até o presidente da Federação Costarriquenha de Futebol, Rodolfo Villalobos, veio a público para comentar sobre o assunto, tamanha repercussão negativa. Villalobos não escondeu a insatisfação de ter que se pronunciar sobre o assunto ao invés de comentar o futebol da equipe.

- Acho uma pena que hoje a imprensa não fale de futebol. Infelizmente, agora estamos aqui para falar sobre uma questão tão desagradável porque parece que isso é o importante agora. Isso é uma coisa sem vergonha para escrever, parece ser algo que não é escrito por um costarriquenho, ou por alguém que ama futebol. Uma mensagem anônima é o mais baixo que há. A gente coloca a cara e não nos escondemos atrás de um papel - disse Villalobos.

Após o mandatário, foi a vez do capitão Bryan Ruiz falar com a imprensa. Para ele, tudo não passa de uma "fofoca sem pé nem cabeça".

- Nós não entendemos como uma fofoca sem pé nem cabeça de uma pessoa anônima está dando tanta repercussão. Às vezes não vamos esclarecer porque são mentiras. Mas neste momento vamos esclarecer para ser forte para um jogo como o de sexta-feira, que queremos ganhar.

Para o capitão, o desentendimento entre González e Venegas é coisa normal no futebol.

- Eu acho que o problema é com oportunistas, e é isso que está acontecendo agora. No vídeo ao vivo gravado pela Federação, é algo incomum. Eu não vou dizer que isso acontece todos os dias, mas essas coisas acontecem muito no futebol, e isso é normal.

Brasil e Costa Rica se enfrentam nesta sexta-feira, às 9h (de Brasília), em São Petersburgo, pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo.

Globo Esporte