Nova polêmica de Deyverson antecede julgamento que pode render gancho de até seis jogos

(Foto: Marcos Ribolli)


A confusão após o apito final da vitória de sábado sobre o Santos, quando uma dancinha de Deyverson irritou adversários, terminou sem maiores prejuízos ao atacante do Palmeiras. Nesta segunda-feira, porém, ele poderá pegar gancho no Campeonato Brasileiro por outro episódio.

Seu nome está na pauta de julgamento do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela expulsão na vitória sobre o Ceará, em jogo da 30ª rodada, em 21 de outubro. Denunciado por jogada violenta, com base no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, Deyverson pode receber de uma a seis partidas de suspensão na competição nacional.

Em setembro, ele foi punido pelo STJD com dois jogos de gancho por conta de uma expulsão na Copa do Brasil. Na ocasião, chegou a comparecer à sede do tribunal, no Rio de Janeiro, para se defender pessoalmente. Desta vez, não há confirmação se o atacante viajará para participar do julgamento.

Além de Deyverson, também serão julgados o técnico Luiz Felipe Scolari e o diretor Alexandre Mattos, ambos por críticas à arbitragem da partida contra o Ceará. O primeiro pode pegar até seis jogos de suspensão, enquanto o dirigente corre risco de ser suspenso de 15 a 180 dias.

No último sábado, Felipão saiu em defesa do atacante, interrompendo uma entrevista sua e atacando a imprensa. Mais tarde, em entrevista coletiva, desculpou-se e lembrou que o histórico de confusões do jogador tem sido um problema.

– Eu vou falar uma coisa aqui. Peço desculpa a vocês também. Mas, por favor, o Deyverson, como ele já disse, tem alguma coisa, uma chavezinha que não funciona. Se ele já disse isso para vocês, e aí quando termina o jogo tem aquela confusão, quem que vocês vão pegar como primeiro? Para vocês, é ótimo. Para mim, é um inferno, porque depois eu tenho que ir lá na CBF, no STJD, o Deyverson falou isso, pegam a fita – disse.

– Ou vou passar agora a cobrar uma multa de todo mundo ou eu vou proibir de falarem, por causa de um. Se vocês puderem ajudar, tudo bem. Se não puderem, eu vou tomar outra atitude. O Deyverson não tinha nada que estar falando ali.

Globo Esporte