segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Confusão no Paranaense gera revolta e ataques contra Federação e Globo

Cleber Yamaguchi/AGIF
(Foto: Cleber Yamaguchi/AGIF)

Por Nicholas Araujo
Redação Blog do Esporte


O cancelamento do clássico entre Atlético-PR e Coritiba fez com que torcidas e clubes atacassem a Federação Paranaense de Futebol (FPF) e a Rede Globo. A transmissão do jogo aconteceria exclusivamente via internet, mas a Federação vetou por considerar que os profissionais que trabalhariam dentro de campo com a transmissão não estavam credenciados para estarem no gramado.


Nas redes sociais houve uma mais revolta pelo ocorrido. Torcedores, jornalistas e jogadores apoiaram a iniciativa e colocaram a ideia das duas equipes como "histórico para o futebol brasileiro".




Como foi dito pelo presidente da FPF, Hélio Cury, e publicado aqui no Blog do Esporte, o veto foi porque os profissionais que trabalhariam na transmissão não estavam credenciados. Ele afirmou que o credenciamento deveria ocorrer 48 horas antes do jogo e nega qualquer influência sobre a partida ser transmitida por uma equipe que não é detentora de direitos do campeonato.

Em nota, a Globo negou interferência na decisão da Federação e disse que não existe contrato com Atlético e Coritiba para transmitir o Estadual em 2017.

''O Grupo Globo não tem contrato vigente com Atlético-PR e com o Coritiba nesta edição do campeonato paranaense. Portanto não temos interferência na decisão dos clubes e da Federação de não realizar a partida. Entendemos que cabe aos clubes dispor livremente dos direitos nos jogos em que se enfrentam, e estávamos cientes inclusive da transmissão via Internet'', explicou a emissora por nota.