sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Sindicato dos árbitros rebate pedido de punição a árbitro do Dérbi Paulista

(Foto: Guilherme Amaro)

Por Redação Blog do Esporte


O Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP) rebateu o pedido de punição ao árbitro Thiago Duarte Peixoto após erro no clássico entre Corinthians e Palmeiras em Itaquera. O presidente do sindicato, Arthur Alves Júnior, convocou uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira (24) para defender o profissional.


A coletiva ocorreu após o presidente do Corinthians, Roberto de Andrande, pedir que o árbitro seja banido do futebol por conta do erro no clássico. Thiago Peixoto se confundiu com a marcação de falta feita por Maycon, e acabou expulsando Gabriel, que estava próximo da jogada.

"Foi uma declaração, no mínimo, infeliz. Ele não é Deus para desculpar ou não alguém. Ele tem que cuidar do clube dele, e eu cuido do meu associado", afirmou Arthur Alves Júnior. A Federação Paulista afastou Thiago por tempo indeterminado, o que a SAFESP repudia.

"Todo mundo erra. Não tem que ter afastamento, o árbitro tem de apitar, ele fora é pior ainda. Tem que fazer esse trabalho técnico, de rever o posicionamento e tem que atuar em outros campeonatos ou outras categorias. Quanto mais o árbitro apita, melhor fica. É assim com toda profissão. Estou conversando com o presidente do TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva), Antonio Olim, e vamos acompanhar esse processo", disse Arthur.

Para solucionar o caso, o presidente da SAFESP pede a profissionalização para o árbitro.

"É um projeto que seria uma total independência. Durante o campeonato, o árbitro ficaria se preparando só para os jogos. O árbitro teria uma empresa, seria PJ (pessoa jurídica), e durante janeiro e maio, por exemplo, prestaria serviços para a FPF. Depois, para a CBF. O árbitro chegaria um dia antes ao local do jogo, concentrar... Tudo isso colaboraria para um desempenho bom. A FPF dá uma estrutura boa para os árbitros de pré-temporada, com aprimoramento psicológico, técnico e físicos, mas não pode acontecer mais isso que vem acontecendo no Campeonato Paulista", explicou.