Felipão confirma convite para assumir seleção da Colômbia e diz: "Tenho que pensar"

(Foto: Felipe Zito)


O técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, o Felipão, confirmou nesta segunda-feira, durante a premiação da Bola de Prata, da ESPN Brasil, que tem uma proposta para assumir a seleção da Colômbia. Ele disse que "tem que pensar" sobre o futuro, mas ponderou que já ficou muito tempo fora do Brasil e que se sente muito feliz no Palmeiras.

– Tenho convite, sim, mas é um assunto que, agora, quando termina o Campeonato, a gente vai pensar com muita clareza. Nos últimos 20, 25 anos, devo ter passado 80% do tempo fora do Brasil. Tem o aspecto da minha família e também outra família, que é a família palmeirense – disse o técnico do Palmeiras, em entrevista à ESPN Brasil.

– A forma como me tratam e como me receberam, essa identificação entre os palmeirenses e minha pessoa. Tenho que pensar. Tenho que saber que estar num lugar onde sou muito bem reconhecido muitas vezes vale mais do que valores ou outras situações – completou Felipão.

Além de Felipão, que foi eleito o melhor treinador do Brasileirão, o Palmeiras foi representado por mais quatro atletas na seleção do Bola de Prata: Weverton, Mayke, Bruno Henrique e Dudu - o atacante também ganhou o prêmio de melhor jogador do campeonato.

Na sequência do evento, em entrevista coletiva, Felipão falou mais sobre o carinho dos palmeirenses. Antes da partida do último do último domingo, o técnico recebeu uma homenagem da torcida do Palmeiras. Atrás do gol, uma imagem do treinador foi exposta em um mosaico 3D ao lado de Moacir Bianchi, fundador da Mancha Verde que faleceu no ano passado.

Scolari disse que a manifestação de carinho dos palmeirenses o faz pensar diferente a partir de agora.

– É algo que te remete a pensar diferentemente de uma sequência que tu tenha se preparado e imaginado, em situações que podem acontecer na tua vida. Tu vês que está num clube que te recebe de braços abertos, é uma casa para ti, tem identidade com esse clube – afirmou Felipão.

– Me dá algo que eu tive e tenho em outro clube, no Grêmio. Tenho no Palmeiras uma identidade que faz com que a gente repense algumas coisas em termos de vida, mudança de atitude, detalhes que muitas vezes passaram desapercebidos e com o passar do tempo vão aparecendo. Aquela homenagem que eu recebi marca e marcou, quem sabe faça alguma mudança em alguns detalhes que eu tenha daqui para frente – completou.

Após a vitória contra o clube baiano, pela última rodada do Brasileirão, o Palmeiras mudou o protocolo em dias de jogo e não organizou a entrevista coletiva do treinador. Felipão afirmou que a presença de Salvador Hugo Palaia, ex-diretor do Verdão.

– Não dei entrevista porque tínhamos vários diretores na nossa sala. Tivemos o prazer de ter um diretor com a idade que tem, merecíamos dar uma atenção especial, que era o Hugo Palaia. Chorava como se fosse uma criança – citou Felipão.

Luiz Felipe Scolari tem contrato com o Palmeiras até o fim de 2020. Ele é o segundo treinador que mais vezes dirigiu o clube (438 jogos), atrás de Oswaldo Brandão, que comandou o Verdão em 585 oportunidades.

Globo Esporte