sexta-feira, 2 de junho de 2017

Na estreia do técnico Renan, Brasil cai no tie-break diante da Polônia na Liga Mundial

 (Foto: FIVB)


No banco de reservas, Renan Dal Zotto caminhava sem parar, de um lado para o outro. Foram dias de ansiedade até a estreia do técnico na seleção brasileira de vôlei, nesta sexta-feira, em Pesaro, na Itália. A pressão era grande para substituir Bernardinho, e o desafio não era dos mais fáceis, afinal a Polônia é a atual campeã mundial. O treinador tinha sob seu comando os atuais campeões olímpicos, mas não foi o suficiente para conseguir a vitória. Em um jogo duro, o Brasil foi superado no tie-break no primeiro jogo da Liga Mundial 2017 - parciais de 25/20, 20/25, 19/25, 25/22 e 15/8.

Depois de 16 anos, foi no mínimo estranho não ver Bernardinho à beira da quadra brasileira. Mas não houve sentimento de vazio. Renan preencheu bem o espaço, mostrou um estilo muito mais comedido. Diante dos erros brasileiros, no máximo uns saltinhos discretos e umas caretas deixavam clara a insatisfação do técnico. O Brasil de Renan teve altos e baixos na partida. Foi crescendo a cada set, mas parou no meio da quarta parcial.

Seguindo o discurso de continuidade do trabalho de Bernardinho, Renan montou o Brasil com a base do time campeão olímpico no Rio de Janeiro. Dos titulares, apenas o líbero Tiago Brendle não esteve na Olimpíada e substituiu Serginho, que se aposentou da seleção. Bruninho, Maurício Souza, Maurício Borges, Lucão, Evandro e Lucarelli foram os selecionados pelo novo técnico. Nem a força dos medalhistas olímpicos evitou a derrota. Por vezes o time até mostrou o ritmo intenso e rápido que Renan pediu nos treinos no CT de Saquarema, mas o excesso de erros pesou contra o Brasil.

Apesar da derrota, a seleção conquistou um ponto no Grupo 1 da Liga Mundial, já que foi ao tie-break contra a Polônia. Por ser o país-sede, o Brasil já está garantido na fase final da Liga Mundial, entre os dias 4 e 8 de julho, na Arena da Baixada, em Curitiba - os campeões olímpicos vão buscar o décimo título para encerrar um jejum de sete anos. Os jogos da primeira fase vão servir para os jogadores se alinharem ao novo técnico. Renan vai estar no comando da seleção novamente neste sábado, às 11h45 (de Brasília), para encarar o Irã, em Pesaro.

O jogo

O Brasil de Renan teve momentos de altos e baixos no primeiro set. Depois de começar perdendo por 3 a 0, o bloqueio brasileiro cresceu. Foi a principal arma para a virada. No total, foram seis pontos no fundamento durante a primeira parcial. Por vezes, o time mostrou o ritmo intenso e rápido que Renan quer ver, principalmente nos ataques com Lucarelli. Só que os campeões olímpicos erraram muito. Foram oito erros que pesaram a favor dos campeões mundiais. O técnico Renan mexeu no time, colocou em quadra Douglas Souza, Murilo Radke e Renan. Mas já era tarde. A Polônia havia aberto boa vantagem e conseguiu fechar o set em 25 a 20.

Os titulares voltaram à quadra no segundo set, e montaram novamente um forte bloqueio. O Brasil dominou a parcial desde o começo. Errando muito menos, os campeões olímpicos deram poucas chances de reação aos poloneses. Ainda mais com Lucarelli e Evandro com a mão cheia. O ponteiro e o oposto lideraram a virada de bola do Brasil, que devolveu o placar do primeiro set: 25 a 20.

O domínio brasileiro foi ainda mais consistente no terceiro set. Bruninho pôde variar mais as jogadas, com todos os atacantes mostrando eficiência. O volume de jogo brasileiro também cresceu. A Polônia teve dificuldades para virar as bolas, e os campeões olímpicos aproveitaram nos contra-ataques. Com um ace, Lucarelli fechou o set em 25 a 19.

A Polônia reagiu no quarto set. O clima ficou quente quando Kubiak reclamou dois toques de Maurício Souza. Bruninho chegou a discutir com o polonês na rede. A resposta brasileira foi na bola. Teve ace de Lucarelli na linha, teve contra-ataques, teve Lucão virando bolas no meio de rede. Os campeões mundiais, porém, não jogaram a toalha. Os poloneses cresceram e assumiram a liderança do placar na reta final (21 a 20). O Brasil não conseguiu reverter, e a Polônia levou o jogo para o tie-break: 25 a 22.

Embalados pela vitória no quarto set, os poloneses começaram com tudo a parcial decisiva, encaixaram o bloqueio e a defesa. O Brasil teve dificuldade para virar bolas, e os campeões mundiais abriram 7 a 3. Forte no contra-ataque, a Polônia não deu chance ao Brasil no tie-break e venceu por 15 a 8.

A sexta-feira foi dia de estreia para todas as equipes do Grupo 1, a primeira divisão da Liga Mundial. Na Sérvia, o time da casa conseguiu superar os Estados Unidos por 3 sets a 1, enquanto o Canadá bateu a Bélgica no tie-break. Em Kazan, na Rússia, menos equilíbrio. Os anfitriões russos venceram a Argentina por 3 sets a 0 para largar na liderança da Liga Mundial. A França também levou a melhor sobre a Bulgária por 3 a 0. A Itália foi outra equipe a não perder sets na estreia, contra o Irã.

O Brasil na Liga Mundial (horários de Brasília)

Primeira etapa – Pesaro, Itália

Sexta-feira (02.06) - Brasil 2 x 3 Polônia
Sábado (03.06) - Brasil x Irã, às 11h45 - SporTV
Domingo (04.06) - Brasil x Itália, às 9h - SporTV
Segunda etapa – Varna, Bulgária
Sexta-feira (09/06) - Brasil x Canadá, às 10h10
Sábado (10/06) - Brasil x Polônia, às 10h40
Domingo (11/06) - Brasil x Bulgária, às 14h40
Terceira etapa – Córdoba, Argentina
Sexta-feira (16/06) - Brasil x Bulgária, 18h10
Sábado (17/06) - Brasil x Argentina, 19h10
Domingo (18/06) - Brasil x Sérvia, 16h10

Convocados para as duas primeiras etapas (Renan deve alterar a lista para a etapa da Argentina):

Levantadores
Bruninho
Murilo Radke
Opostos
Evandro
Renan

Ponteiros
Lucarelli
Maurício Borges
Douglas
Rodriguinho

Centrais
Lucão
Éder
Maurício Souza
Otávio

Líberos
Tiago Brendle
Thales

Globo Esporte