sábado, 17 de setembro de 2016

Com Shirlene, Petrúcio e Felipe, Brasil ganha três pratas no atletismo no Rio

(Foto: MARCELO REGUA/MPIX/CPB)


O sábado do atletismo brasileiro foi marcado pelas medalhas de prata. Os atletas da equipe do Brasil conquistaram três segundos lugares em três provas diferentes, com Shirlene Coelho no lançamento de disco feminino F37/38, com Petrúcio Ferreira nos 400m rasos masculino T45/46/47 e com Felipe Gomes nos 400m rasos masculino T11.

Porta-bandeira da delegação brasileira na cerimônia de abertura das Paralimpíadas, Shirlene Coelho lançou o disco a 33,91m e só foi superada pela chinesa Na Mi, que alcançou a marca de 37,60m e estabeleceu o novo recorde mundial da modalidade. Esta foi a segunda medalha de Shirlene no Rio de Janeiro, já que a atleta foi ouro no lançamento de dardo.

"Paralimpíadas é a minha vida. Não tenho nem o que falar, é só felicidade. Tantas tentativas e até que enfim, Paralimpíada no Brasil, recorde sul-americano (33,91m), melhorando as marcas, é só felicidade. Primeira mulher a ser porta-bandeira uma cerimônia de abertura, ouro no lançamento de dardo quase batendo recorde mundial, prata fazendo uma marca maravilhosa no lançamento do disco, então os três momentos são especiais", disse ao canal Sportv após a prova.

Nos 400m rasos T45/46/47 masculino, Petrúcio Ferreira deu uma arrancada sensacional nos metros finais e cruzou a linha de chegada em segundo lugar, com o tempo de 48s87. A medalha de ouro ficou com o cubano Ernesto Blanco (28s79) e o bronze com o austríaco Gunther Matzinger (48s95). O brasileiro comemorou o resultado.

"Uma sensação muito boa, entrei na última reta, nos 100m, atrás de todo mundo. Eu pensava: 'vou chegar, vou chegar', fui aproximando, consciente do que vinha fazendo, estava pesado nos metros finais, mas deu tudo certo. Por pouco não cheguei em primeiro", declarou ao Sportv.

A outra prata do atletismo brasileiro ficou o corredor Felipe Gomes nos 400m rasos masculino T11, prova para deficientes visuais. O atleta completou o percurso em 50s38, a melhor marca da carreira. O ouro ficou com o espanhol Gerard Descarrega Puigdevall (50s22) e o bronze com o namibiano Ananias Shikongo (50s63).

ESPN