quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Após injúrias raciais em partida de Bota x Fla, STJD avalia com cautela possível processo criminal

(Foto: Reprodução)

Por Redação Blog do Esporte


A semifinal da Copa do Brasil entre Botafogo x Flamengo foi marcado por um episódio lamentável envolvendo a torcida botafoguense e familiares do jogador rubro-negro Vinicius Júnior. Gestos obscenos foram feitos diretamente para os pais do atleta, que saíram do estádio inconformados com tais atitudes.


A partida em si teve diversas confusões extracampo. Houve tumulto entre torcedores do Flamengo que tentaram entrar todos ao mesmo tempo minutos antes do jogo. A confusão então se formou nos portões e houve empurra-empurra.

O torcedor André Luis Moreira dos Santos foi detido por injúria racial e será julgado pelo Justiça. O STJD avalia com cautela as imagens da partida para saber o que realmente aconteceu.

“O que o código tem como previsão são manifestações direcionadas à competição. Dentro de um contexto da competição, em que ela (manifestação) seja utilizada ou aproveitada para incitar ou promulgar esses atos. Não efetivamente um "flagra" de dois torcedores que se desentenderam. O que fica apenas na esfera criminal", explica o procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua em entrevista ao site Globo Esporte.

O promotor avalia como uma briga isolada entre dois torcedores no estádio e que o caso deverá ser levado a esfera criminal. O torcedor foi preso em flagrante, recebeu liberdade provisória e cumprirá medidas cautelares.

Posição alvinegra

O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, deu uma coletiva de imprensa na tarde dessa quinta-feira (17) para explicar o ocorrido e repudiou a atitude do torcedor.

“O Botafogo não possui em sua centenária existência nenhum caso de racismo, pelo contrário. Sempre acolheu a diversidade entre cor da pele, não diria nem raça, pois somos todos da raça humana. Não gosto de divisões, até porque elas são todas ilusórias. Apesar de eu ter cara de europeu, minhas avós eram duas índias amazonenses. Então sou um branco fake, tenho orgulho em dizer isso. Não vai manchar nossa história centenária. Foi o ato de uma pessoa”, disse.

O dirigente ainda pede que a Justiça tome medidas cabíveis, mas que está tranquilo quanto a qualquer punição no âmbito esportivo.

“Qualquer crime será tratado como o de ontem: identificado e conduzido às autoridades, para que tomem todas as medidas cabíveis. Foi o ato de uma única pessoa, ninguém mais apoiou essa atitude. Importante deixar isso muito claro. Que a gente trate o clássico que ocorreu com o futebol com o principal elemento. Estamos muito tranquilos, convictos que cumprimos nossas obrigações”.