domingo, 3 de setembro de 2017

Sharapova erra muito e é eliminada nas oitavas de final no US Open

(Foto: Jewel SAMAD / AFP)


Fim de linha para Maria Sharapova no US Open. Em seu primeiro Grand Slam desde a volta da suspensão por doping, a russa alcançou as oitavas de final, mas neste domingo, diante da letã Anastasija Sevastova, errou muito e foi eliminada. No primeiro duelo entre as duas, a 16ª cabeça de chave em Nova York virou para eliminar Sharapova por 5/7, 6/4 e 6/2. No total foram 51 erros não forçados da russa contra 21 da letã, apesar da campeã de 2006 ter alcançado o dobro de winners: 42 a 21.

Sharapova se impôs no início do jogo e abriu vantagem com uma quebra, fazendo 4/1. Sevastova reagiu, empatou, mas a russa alcançou nova quebra para levar o primeiro set com uma bela devolução. A russa já errava mais desde o início do jogo, mas no segundo set abusou. Foram 16 não forçados contra 2 da letã. Nem os 20 winners contra 8 de Sevastova na parcial adiantaram.   

Sevastova começou o terceiro set abrindo 3/0. A letã cometeu duas duplas faltas e deu uma quebra de presente para a russa, que havia pedido atendimento médico na mão direita. Sevastova foi quem passou a errar bastante, mas do outro lado da quadra a russa parecia cansada. A letã alcançou nova quebra, e sacando para o jogo precisou de quatro match points para chegar à vitória. 

Antes do US Open o último Grand Slam de Sharapova havia sido o Aberto da Austrália em 2016, quando seu exame antidoping testou positivo. Ela estreou em Nova York logo diante da número 2 do mundo, Simona Halep, em partida que em condições normais poderia ser até a decisão de um Grand Slam. Venceu em três sets, assim como na segunda rodada contra a húngara Timea Babos. Seu jogo mais fácil foi contra a jovem americana Sofia Kenin, vencido em dois sets. 

RECLAMAÇÃO DAS ADVERSÁRIAS

Sem ranking para entrar na chave principal - é a número 146 do mundo - Sharapova recebeu um convite da organização do US Open, o que não tinha acontecido em Roland Garros e em Wimbledon. O fato de jogar sempre na quadra central do Arthur Ashe Stadium incomodou algumas tenistas. Eliminada na segunda rodada, a dinamarquesa Caroline Wozniacki reclamou: 

- Acho questionável o fato de olharmos para a quadra central e vermos alguém que usou drogas para melhorar o desempenho estar jogando lá em todos os jogos. 

Sharapova devolveu: 

- Não faço as programações dos torneios. Sou uma grande competidora. Jogaria até no estacionamento de Queens, se fosse preciso. Importante que estou nas oitavas e não sei exatamente onde ela está.

Globo Esporte