sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Comissão de ética da Fifa abre investigação preliminar contra Al-Khelaifi

 (Foto: Aurelien Meunier/Getty Images)


A comissão de ética da Fifa começou investigação preliminar contra Nasser Al-Khelaifi, presidente do Paris Saint-Germain e CEO da rede de TV BeIN Sports. O anúncio foi feito por um porta-voz à agência de notícias AFP no dia seguinte à abertura de processo pelo Ministério Público da Suíça contra o dirigente, Jerome Valcke, ex-secretário geral da própria entidade, e um "negociante do setor de direitos esportivos", ainda não nomeado, por suspeita de fraude na compra de direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030.

Também nesta sexta-feira, o site do jornal francês "L'Equipe" noticia que uma vila na Sardenha, sul da Itália, estimada em cerca de € 7 milhões (cerca de R$ 25,9 milhões) teria sido oferecida por Al-Khelaifi para corromper Valcke , o que ele nega.

- Refuto as acusações contra mim ou Nasser. Nunca recebi nada de Nasser, posso garantir a vocês. Jamais houve qualquer troca entre Nasser e eu. Nunca - disse o Valcke.

Além das declarações do ex-secretário geral da Fifa, a BeIN Sports também se pronunciou na quinta, após o início das investigações na Suíça. A emissora disse que refuta todas as acusações, e que cooperou e continuará ajudando as autoridades durante o processo de investigação.

O Ministério Público da Suíça começou a investigar Jerome Valcke no ano passado. Mas, foi por meio de um comunicado, publicado na última quinta-feira, que a procuradoria anunciou a abertura de novos procedimentos, baseados no que levantou de informações até agora. Depois disso, a Fifa também deverá avaliar o caso.

O comunicado do MP da Suíça aponta a suspeita de que "Valcke aceitou indevidas vantagens de um negociador de direitos esportivos, ligadas à cessão de direitos para alguns países das Copas do Mundo de 2018, 2022, 2026 e 2030, e de Nasser Al-Khelaifi, ligadas à cessão de direitos esportivos para alguns países das Copas do Mundo de 2026 e 2030".

Antes de abrir a investigação, a entidade disse, por meio de comunicado oficial, ser vítima das ações de Valcke. O cartola francês foi banido da Fifa por 10 anos, apesar de ter apelado contra a decisão.

- A Fifa apoia plenamente a investigação realizada pelo Ministério Público da Suíça, bem como pelas outras autoridades envolvidas que se tornaram públicas hoje. A Fifa é uma parte prejudicada nesta investigação, de acordo com as disposições aplicáveis do direito processual suíço. Nenhum comentário adicional pode ser feito pela Fifa neste momento tendo em vista o fato de que a investigação pelas autoridades ainda está em andamento - disse a federação, anteriormente.

Nasser Al-Khelaifi ganhou fama mundial depois de assumir a presidência do Paris Saint-Germain em 2011, logo depois de o grupo Qatar Sports Investiments (QSI) comprar o clube francês para fazê-lo de um dos maiores do futebol europeu. Ele também se tornou diretor-executivo do BeIN Media Group, depois de comandar a transição do canal especializado em esportes da rede Al Jazeera - dono do grupo - para a marca BeIN Sports. Antes disso, trabalhava para o mercado televisivo desde 2003, quando começou a carreira como diretor de aquisição de direitos da Al Jazeera Sport.

Globo Esporte