quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Um ano após fechar, Atlético Sorocaba tem CT de Copa praticamente abandonado

 (Foto: Natália de Oliveira)


Um clube com patrimônio declarado de R$ 18 milhões e com lucro liquido de mais de R$ 3 milhões no último balanço oficial divulgado, disponível no site da Federação Paulista de Futebol (FPF), passa por dias de total abandono em sua sede administrativa, localizada em um Centro de Treinamento que foi uma sub-sede na Copa do Mundo de 2014.

Sem entrar em campo desde 2 de maio de 2015, na vitória contra a Matonense por 2 a 1, que não evitou o rebaixamento para a Série A3 do Campeonato Paulista, o Atlético Sorocaba não vive qualquer perspectiva de retornar ao futebol. O time licenciou-se oficialmente no dia 30 de outubro de 2016. Foram quatro participações na primeira divisão do Campeonato Paulista (2004, 2005, 2013 e 2014).

O fim dos investimentos vindos do Reverendo Moon, fundador da Associação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial, mantenedora do Atlético Sorocaba - que entre 2009 e 2015 injetou mais de R$ 22 milhões no clube -, fez que todas as atividades fossem encerradas. Anualmente, vinha do grupo religioso o dinheiro necessário para a manutenção do CT e do time de futebol profissional.

Em uma área de 60 alqueires, os únicos empreendimentos do clube que seguem em funcionamento são os dois hotéis, que contam com a opção de um passeio de balão pelas instalações.

O hotel construído para receber a seleção da Argélia durante a Copa do Mundo de 2014 custou R$ 9,9 milhões, sendo R$ 5 milhões custeados pelo Atlético Sorocaba e o restante pelo Governo do Estado de São Paulo, conta com 31 quartos e salão com capacidade para quase 600 pessoas. Confira no vídeo abaixo as instalações do hotel padrão Fifa.

A diária de um quarto onde os jogadores da seleção argelina ficaram hospedados custa R$ 500. A suíte master, R$ 700. O dinheiro ganho com a locação dos quartos serve basicamente para o pagamento de funcionários e manutenção da estrutura, que tem custo aproximado de R$ 30 mil/mensais, contando com os quatro campos de futebol, academia, piscina aquecida e demais serviços.

Atualmente, o CT recebe esporadicamente clubes para pré-temporada ou para hospedagens pontuais relacionadas a logística de jogos.

O cenário é diferente no local onde funcionava a sede administrativa do Atlético Sorocaba. Por lá, o que se vê é o abandono dos troféus conquistados pelo clube até a estrutura física das salas de fisioterapia e cozinha. Sem departamento de futebol, um recado chama a atenção na entrada do local onde os atletas faziam o lanche entre os treinos.

"Devido aos últimos acontecimentos, onde pessoas não autorizadas pernoitaram no clube sem autorização prévia, a partir dessa data fica proibido qualquer pessoa de pernoitar na empresa Clube Atlético Sorocaba. Qualquer pessoa interessada em pernoitar no clube deverá procurar o gerente do hotel", diz o comunicado, fixado na antiga sede administrativa.

O recado, assinado pelo vice-presidente José Rodrigues dos Santos, em março, é mais um sinal do abandono no qual vive o Atlético Sorocaba.

Sem perspectiva de reativação do departamento de futebol, a tendência é de que o clube fique mais uma temporada ausente do futebol. Em caso de retorno, terá de disputar a quarta e última divisão do Campeonato Paulista. No último ano de atividade, o Atlético Sorocaba acabou sendo alvo de investigações por suspeita de manipulação de resultados com a equipe sub-20.

Apesar do contexto negativo, o atual vice-presidente afirma que o clube se prepara para retornar ao futebol, após conseguir liquidar dívidas no período em que está sem disputar qualquer partida profissional.

– Nosso clube está focado em retornar no próximo ano. Para isso, estamos trabalhando para recuperar as finanças. Conseguimos pagar todos os salários atrasados e nosso objetivo agora é viabilizar nosso retorno – disse José Rodrigues, ao GloboEsporte.com.

Globo Esporte