sábado, 2 de dezembro de 2017

Sem sustos, Andre Brasil abre Mundial do México com ouro no 100m costas

 (Foto: Daniel Zappe/CPB/MPIX)


Ele leva o país no nome. E com braçadas ainda velozes para os 33 anos, Andre Brasil mostrou que ainda tem fôlego para honrar a bandeira verde-amarela nas grandes competições. Nos 100m costas da classe S10, para atletas com deficiências de menor grau, o carioca sagrou-se campeão neste sábado com o tempo de 01m01s57. O ouro foi a primeira medalha dele e do Brasil nesta edição do Mundial de natação paralímpica, disputado na Cidade do México.

Completaram o pódio o estoniano Kardo Ploomipuu, com 01m03s55 e o americano Tye Dutcher, que fechou os 100m em 01m03s81. Com apenas cinco nadadores inscritos, a prova não teve eliminatória.

- É sempre bom começar um Mundial com um ouro. Serve para soltar e criar confiança para o restante da competição. Agora é ir para o hotel, descansar e colocar as pernas pro alto, porque tenho duas provas mais tarde, uma delas os 50m livre - disse o nadador.

Na carreira, Andre ostenta agora 25 medalhas em Mundiais. E, como o próprio lembrou, a coleção pode crescer ainda mais neste mesmo sábado, a partir das 20h do horário local (00h de domingo de Brasília). Ele volta à piscina para duas finais: a primeira nos 50m livre S10, na qual terá como adversário o compatriota Phelipe Rodrigues - é grande a chance de uma dobradinha.

Depois, irá compor o revezamento 4x100m livre masculino de 34 pontos. As provas estão previstas para começar às 00h01 e às 00h30, respectivamente, de acordo com o horário de Brasília.

Na manhã deste sábado, outros três brasileiros nadaram provas eliminatórias. Joana Neves, a Joaninha, competiu nos 100m livre S5 e se classificou para a final com o segundo melhor tempo da sua bateria (1m29s18). Talisson Glock disputou os 400m livre S6 e avançou para a final com o tempo de 5m46s98. Já Thomaz Matera fez o quinto melhor tempo (01m11s30) dos 100m costas S13, avançando à final.

Globo Esporte