sábado, 6 de outubro de 2018

Nicholas Santos quebra o recorde mundial dos 50m borboleta em piscina curta




Aos 38 anos, Nicholas Santos continua colecionando conquistas. Neste sábado, o nadador quebrou o recorde mundial dos 50m borboleta em piscina curta. Campeão mundial da prova em 2012, ele cravou 21s75 para ficar com o ouro na etapa de Budapeste da Copa do Mundo. A marca foi cinco centésimos mais veloz do que o antigo recorde mundial, do alemão Steffen Deibler, que durava desde 2009, época dos trajes tecnológicos.

- Essa foi uma Copa do Mundo que fazia parte da minha preparação física, para ter ritmo de competição para o Mundial de curta em dezembro. Fiquei surpreso até com o resultado, mas quando nadei a eliminatória para 22s40 percebi que eu conseguiria nadar muito mais rápido na final. Consegui esse recorde mundial para minha carreira, para o Brasil. O objetivo é bater esse recorde de novo no Mundial - disse Nicholas.

É o primeiro recode mundial batido por um nadador brasileiro desde 2014, quando Etiene Medeiros quebrou o dos 50m costas em piscina curta (o recorde dela ainda perdura). Além dos dois, Cesar Cielo tem os recordes mundiais dos 50m e dos 100m livre em piscina longa.

O recorde mostra que Nicholas está no caminho certo rumo ao Mundial em piscina curta de Hangzhou, na China, em dezembro. O brasileiro inclusive superou em Budapeste o atual campeão mundial da prova, o sul-africano Chad le Clos, que ficou com a prata, com 22s11. O bronze ficou com o japonês Kosuke Matsui (22s62).

No primeiro dia da etapa de Budapeste, Nicholas já havia ficado com o bronze nos 100m borboleta com 50s12 - o ouro foi para Chad le Clos (49s22) e a prata para o francês Mehdy Metella (49s71). O novo recordista mundial pretendia usar a competição na Hungria como um teste, um treinamento de luxo com seus principais adversários. Que teste! Agora ele vai voltar ao Brasil no domingo como o homem a ser batido no Mundial da China.

A prova dos 50m borboleta é a especialidade de Nicholas, mas não está no programa olímpico. Em piscina longa, a olímpica, ele tem a prata dos dois últimos Mundiais. Em piscina curta, de 25m, foi ouro em Istanbul 2012 e prata em Doha 2014. Em Windsor 2016, ele foi o mais veloz da eliminatória, mas falhou na semifinal e acabou na nona posição, fora da decisão.

Embora apresente boa forma física, Santos tem dosado seus treinos para evitar desgaste. Ele diminuiu a carga de atividades e se tornou mais seletivo. Além disso, tem dividido suas atenções entre uma empresa de treinamento que montou recentemente e os cuidados do filho, que também se chama Nicholas. O recorde mundial deste sábado é a prova de que a trilha está certa.

Mais Brasil em Budapeste

Neste sábado, o Brasil ainda contou com Eteien Medeiros nas finais. Ela acabou na oitava posição do 100m livre, com 53s13. O ouro foi para a holandesa Ranomi Kromowidjojo (51s01), campeã olímpica dessa prova em 2012 na piscina longa. A atual campeã olímpica, a sueca Sarah Sjostrom, ficou com a prata (51s22). A holandesa Femke Heemskerk completou o pódio (51s74).

Além das medalhas de Nicholas Santos, o Brasil já conquistou mais dois ouros na etapa de Budapeste da Copa do Mundo, ambos com Felipe Lima, nos 50m e nos 100m peito.

Globo Esporte