Coronel Marinho diz que "lance não é conclusivo" em gol do Corinthians não validado, mas vê erro de posicionamento

(Foto: Reprodução)


O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, coronel Marcos Marinho, diz que não são conclusivas as imagens sobre o gol não validado a favor do Corinthians no clássico com o São Paulo, no último sábado. Ele deu uma entrevista ao portal "Uol". O chefe do apito também viu erro de posicionamento do árbitro adicional no lance do gol.

Danilo finaliza a jogada, e Jean faz a defesa. No entanto, o comentarista de arbitragem Leonardo Gaciba mostrou na Central do Apito que a bola ultrapassou a linha do gol (veja no vídeo abaixo).

– Como sempre fazemos, vamos analisar todos os lances na segunda-feira (12) e, se houver erro, tomaremos as providências necessárias. O lance não é conclusivo. Não há uma imagem que conclui. Tem imagem em que a bola entra e imagem em que a bola não entra. Nem com o VAR (árbitro de vídeo) daria para avaliar. Só com a tecnologia de chip na bola. O árbitro adicional não estava na posição correta. Teve erro de posicionamento, isso eu posso afirmar. Ele não estava na posição que treinamos. E providências serão tomadas quanto a isso – disse o coronel Marinho.

O Majestoso terminou empatado por 1 a 1 na Arena Corinthians, em jogo válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Ao GloboEsporte.com, Marinho disse que vai analisar as imagens com mais calma nesta segunda-feira e disse não ter visto a explanação de Gaciba com uma arte que mostra a bola dentro do gol.

– Quero analisar com mais calma. Amanhã (segunda-feira) quero analisar de forma mais tranquila. Tem de ser considerada muita coisa numa arte. Eu me convenceria se na linha do gol tivesse uma câmera. Mas tudo bem. Aceitamos as opiniões. Quero ter uma certeza maior. Isso não vai voltar o lance atrás. Erro faz parte do jogo. Jogadores e árbitros erram. Na velocidade da jogada dificulta. O adicional estava em um posicionamento errado. Ele tem de ficar em cima da linha, em posição de cavalo, como chamamos, olhando junto à trave na intersecção da pequena área – afirmou.

– São as mesmas imagens (que serão analisadas nesta segunda-feira). A gente recorta e vê com mais calma. Se foi gol paciência. Já foi. Não tem mais o que fazer. É o risco que se corre numa partida de futebol. O jogador erra o passe e arma o contra-ataque. O árbitro também erra. É um lance difícil, com a bola no ar fica muito mais difícil. Não é tão simples. É fácil falar. No campo há uma série de dificuldades a se levar em consideração.

Depois do Majestoso, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez atacou o coronel Marinho:

– "(...) o árbitro (Rodolpho Toski Marques) é incompetente e irresponsável. Mas isso é o coronel Marinho, tem que vir falar. Tem que ir descansar, fazer outra coisa. O que eu vi hoje foi uma vergonha – disse o dirigente.

Marinho, por sua vez, preferiu não comentar as declarações de Sanchez, pois disse que o presidente do Corinthians estava de cabeça quente.

O presidente da Comissão de Arbitragem disse ter dúvidas ser o VAR (sigla para árbitro de vídeo em inglês) resolveria um lance desse tipo.

– É uma ferramenta que vai ajudar os árbitros em vários lances. Esse lance teria de ter muita certeza do VAR com recursos que não sei se existem. Para impedimento existe um software. No "gol ou não gol" não sei de que forma funcionaria. É um lance muito complicado, tem a mão do goleiro, o corpo dos jogadores. Às vezes a bola vai entrar e não vai ter como ver se entrou. O VAR precisa ser ajustado em lances interpretativos. Vai ser discutido no próximo conselho técnico (em meados de fevereiro). Hoje temos mais informações de experiências que foram feitas, diferentemente do que foi esse ano. O pacote do VAR tem de ser analisado: estádios que podem receber, quais times vão subir e cair, envolve treinamentos, enfim, o pacote todo não é só do jogo em si.

Globo Esporte