domingo, 7 de agosto de 2016

Brasileiros torcem como se fosse futebol e incomodam os estrangeiros

(Foto: Alkis Konstantinidis/Reuters)


Acostumados à gritaria e às provocações típicas de um estádio de futebol, os brasileiros estão surpreendendo os estrangeiros com seu estilo nas arquibancadas. Neste domingo, atletas de outros países sofreram com os donos da casa na esgrima, no tênis de mesa e na natação.

Os excessos são uma faceta negativa do jeitinho brasileiro de torcer, destaque já no primeiro dia dos Jogos Olímpicos. Em algumas competições, no entanto, o silêncio é fundamental. “Tênis de mesa não é futebol”, disse o sérvio Aleksandar Karakasevic, que jogou no último sábado e fez uma reclamação formal à federação internacional da modalidade. Questionados pelo UOL Esporte, os cartolas argumentaram que os jogadores têm de se adaptar a jogar nessas condições por se tratar de uma Olimpíada. Um deles, irônico, disse que “não estamos jogando dentro de uma igreja”.

A pressão continuou neste domingo. “[A torcida] atrapalhou um pouco. Os torcedores brasileiros faziam barulho quando eu ia sacar, e não estou acostumado com isso”, disse o sueco Par Gerrell, derrotado pelo brasileiro Hugo Calderano, apoiado por um público surpreendentemente bom no pavilhão 3 do Riocentro – no primeiro dia, foram mais de 12 mil presentes ao longo das três sessões.

Na esgrima, outro esporte que precisa de concentração, o barulho atrapalhou Ghislain Perrier, cearense que foi adotado por franceses quando criança, não fala português, mas está competindo pelo Brasil. “Tinha uma hora que o público vibrava tanto que não escutava nem meu técnico, nem o chinês escutava o dele”, disse ele.

João Gomes Júnior, nadador dos 100 m peito, foi outro brasileiro que sofreu com a torcida a favor. Na hora da largada, quando ouvir o sinal de partida é fundamental para um tempo de reação adequado, o público gritava o nome do atleta a plenos pulmões. “Por um lado ajuda, mas as pessoas também precisam entender que é preciso fazer um pouco de silêncio no momento de largada, que é uma hora de mais concentração”, disse o brasileiro. 

UOL Esporte