terça-feira, 2 de agosto de 2016

Suspeita de bomba isola área de aeroporto e aciona PF no Rio

(Foto: Hanrrikson De Andrade/UOL)


Uma suspeita de bomba dentro de um trem do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) interditou área próxima ao setor de embarque do aeroporto Santos Dumont, na região central do Rio de Janeiro, nesta terça-feira (2).

Policiais federais utilizaram um robô especial para retirar o pacote do interior da composição e verificar o seu conteúdo. Horas depois, os agentes da PF constaram que se tratava de "tecidos e roupas" dentro de sacolas plásticas.

"Infelizmente, uma pessoa desatenta esqueceu o seu material dentro do VLT e causou todo esse transtorno", disse Sérgio Hipólito, policial federal do Grupo Antibomba. Ele afirmou ainda já ter solicitado imagens do circuito interno do VLT para identificar o dono do material.

Toda a ação durou cerca de uma hora e meia. A operação do VLT chegou a ser interrompida no trecho entre o aeroporto Santos Dumont e a praça da Cinelândia. Policiais federais, bombeiros e agentes de segurança foram mobilizados.

"Tomamos um susto com esse pacote e achamos melhor acionar o protocolo de segurança. Do jeito que está, não podemos arriscar", disse um funcionário do VLT, que presenciou toda a cena. Ele pediu para não ser identificado.

O taxista Anderson Magalhães disse ter visto toda a movimentação desde o começo: "Assim que o VLT parou e os passageiros desceram, os policiais chegaram e isolaram o local. O robô foi lá dentro do VLT tirar o pacote, mas tem meia hora que ele está mexendo de lá para cá, e nada acontece. Só serviu para atrapalhar o nosso trabalho", disse ele, que trabalha em um ponto no aeroporto.

"Já não basta a concorrência com o Uber, agora tem que concorrer com suspeita de bomba também"

Anderson Magalhães, taxista

O trânsito na pista em direção ao setor de embarque ficou bloqueado por cerca de 30 minutos, de acordo com os taxistas.

Segundo testemunhas, não houve nem clima de pânico nem correria na chegada dos policiais e agentes de segurança. Taxistas relataram que os homens da PF tiveram dificuldade para conter a curiosidade dos populares que se aglomeravam no local.

Este é o segundo caso de pacote suspeito nos últimos dias. No fim de semana, uma mala suspeita nos arredores da bilheteria 2 do estádio do Maracanã fez com que a polícia fosse acionada. A ameaça de bomba bloqueou o trânsito por mais de uma hora. Após uma rigorosa vistoria, ficou constatado que a mochila não continha artefato explosivo.

Nos últimos dias, as ameaças de bombas têm sido constantes no Rio de Janeiro. Entre 18 e 21 de julho, ocorreram cinco alarmes falsos. Policiais chegaram a ser mobilizados desnecessariamente por causa de trotes e suspeitas infundadas.

No último dia 21, a Polícia Civil informou que o abandono de bolsas e mochilas na rua não configura crime. No entanto, medidas para verificar quem são as pessoas que deixaram objetos nas vias seriam adotadas.

UOL Esporte