terça-feira, 28 de junho de 2016

Com dinheiro chinês, empresa leva projeto da Champions das Américas à Globo

Com investimento chinês, a italiana MP & Silva levou o projeto da Champions das Américas para a Globo e para outras redes de televisão para tentar viabiliza-lo em 2018. A competição é um projeto para reunir clubes de todos os países do continente, desde os EUA até o Brasil. A MP & Silva, idealizadora da ideia, participa do mercado de negociações de direitos de tv e já conversou com times brasileiros.

Houve equipes nacionais interessadas com a promessa de cota de US$ 5 milhões por apenas dois jogos, e um total de US$ 30 milhões. Mas a MP & Silva ainda tem um longo trajeto antes de viabilizar a competição. Por isso, foi atrás de investidores e de contatos com televisões.

Em maio de 2016, a MP & Silva teve 60% do seu capital comprado por duas empresas chinesas. São a Beijing Baofeng, especialista em vídeos on-line, e a Everbright, empresa financeira chinesa. Ambas investiram US$ 1 bilhão na agência italiana para capitaliza-la para expansão no mercado.

Logo depois, a empresa comprou da Globo os direitos sobre o Brasileiro, de 2016 a 2018, para países da América Latina, além do Carioca e do Paulista. O principal negócio da MP & Silva é justamente comprar e revender campeonatos para televisões, seja o Nacional, seja a Liga Italiana. Do contato com a Globo, surgiu uma sondagem em relação à Liga das Américas.

“Eles (MP & Silva) já nos apresentaram a ideia da Liga das Américas, mas o evento ainda não está definido. A Globo sempre tem interesse em qualquer competição que conte com clubes brasileiros'', informou a assessoria da Globo. A MP & Silva confirma que tenta viabilizar a ideia com redes de televisão.

“O projeto da Champions das Américas está sob constante desenvolvimento. Após o seu anúncio, nós falamos com grandes clubes da América do Sul e da da América do Norte e nós falamos com líderes da América Central e do Caribe. Há apoio positivo de todos'', informou a Frank Uddo, presidente da MP & Silva para a América, por e.mail. “Nós estamos negociando com redes de televisão e patrocinadores para começar em 2018.''

A questão é que há vários entraves para a realização da Champions das Américas. O principal deles é uma adaptação do calendário de todos os países do continente. No Brasil, por exemplo, teriam de ser encontradas pelo menos 10 datas disponíveis no caso do time que for à final. A intenção era incluir 64 clubes. Flamengo, Corinthians e São Paulo eram citados pela MP & Silva como clubes que negociaram com a liga. Alguns confirmaram contato, mas não que já tenham se comprometido com a competição.

Outra empecilho seria convencer confederações continentais e dos países sobre a realização da competição, já que são elas as representantes do sistema Fifa.  Um caminho para isso seria justamente convencer parceiros da CBF e da Conmebol como a Globo.

UOL Esporte