sábado, 18 de junho de 2016

Com show de Messi e Higuaín, Argentina goleia Venezuela e vai à semifinal

(Foto: Winslow Townson-USA TODAY Sports)


O sonho de voltar a conquistar a Copa América continua vivo para a Argentina. A classificação para a semifinal foi garantida neste domingo com uma vitória por 4 a 1 sobre a Venezuela, em uma partida histórica para Lionel Messi. Com o gol que marcou, ele se igualou a Batistuta na condição de maior artilheiro da seleção do país em todos os tempos.

O gol de Messi foi o terceiro da equipe comandada por Gerardo Martino no jogo. Os dois primeiros foram marcados por Higuaín. O último, por Lamela. Rondón descontou para a Venezuela. O próximo desafio dos argentinos rumo ao título da Copa América será diante dos Estados Unidos, que eliminou o Equador.

Messi e Higuaín dão show e comandam goleada
A dupla apareceu de maneira decisiva logo aos oito minutos, quando Messi deu um lançamento preciso para Higuaín aparecer dentro da área e finalizar com sucesso para abrir o placar. Higuaín ainda anotou o segundo, para espantar de vez a má fase que atravessava. Messi deu a assistência para Lamela fazer o quarto da goleada e levou perigo à defesa venezuelana em muitas outras oportunidades.

Defesa venezuelana tem atuação desastrosa 
Os jogadores de ataque da Argentina são muito perigosos e capazes de criar boas chances em quaisquer situações, mas neste confronto contaram com a ajuda do adversário. A defesa venezuelana abusou dos erros na saída de bola e a entregou de graça algumas vezes para os jogadores do outro lado. O gol de Messi e o terceiro de Higuaín nasceram desta maneira, após desarmes no campo de ataque que pegaram a marcação do outro lado desprevenida. 

Futuro jogador do Inter perde pênalti e irrita técnico
Seijas teve uma boa chance de fazer a Venezuela reagir no jogo quando o placar ainda apontava 2 a 0 para a Argentina. Foi ele quem cobrou um pênalti assinalado ainda no final do primeiro tempo, mas resolveu cobrar com uma cavadinha e perdeu. Assim que o goleiro Romero encaixou a bola, o técnico Dudamel não escondeu a frustração com a decisão tomada pelo jogador, que teve pouco tempo para se redimir em campo, já que foi substituído logo aos nove minutos do segundo tempo. 

Goleada depois de uma dose de sofrimento
Apesar do placar elástico e dos 61% de posse de bola, não foi uma atuação dominante da Argentina do início ao fim. O time abriu 2 a 0 sem dificuldades, mas deu espaços para a Venezuela se articular no meio de campo e criar boas chances. A partida poderia ter ficado mais complicada se não fossem algumas boas defesas de Romero no primeiro tempo. Mas como a defesa conseguiu se safar e não ser vazada neste momento mais crítico, o talento dos argentinos, principalmente o de Messi, apareceu no segundo tempo para transformar a vitória em goleada. 

Venezuela perde chances e paga caro
As boas chances desperdiçadas pela Venezuela no primeiro tempo não se resumem apenas ao pênalti perdido por Seijas. O time conseguiu construir boas ações ofensivas, deu trabalho para a defesa argentina, principalmente para o goleiro Romero, que precisou fazer uma excelente intervenção em um chute de Rondón. Em um outro lance, os venezuelanos chegaram a acertar a trave. Depois de tanto desperdiçarem, foram punidos com o terceiro gol da Argentina, o que praticamente matou o jogo. 

Ficha técnica
ARGENTINA X VENEZUELA
Local: Estádio Gillette, em Boston (Estados Unidos)
Data: 18 de junho de 2016 (Sábado)
Horário: 20h (de Brasília)
Árbitro: Roberto García (México)
Cartões amarelos: Gaitán (Argentina); Seijas, Ángel (Venezuela)
Gols: Higuaín (Argentina), aos 8 e aos 28 do 1º tempo; Messi (Argentina), aos 15 do 2º tempo; Rondon (Venezuela), aos 22 do 2º tempo; Lamela (Argentina), aos 26 do 2º tempo

ARGENTINA: Romero; Mercado, Otamendi, Mori e Rojo; Mascherano, Banega e Augusto Fernández; Messi, Gaitán (Lamela) e Higuaín (Aguero).
Técnico: Gerardo Martino

VENEZUELA: Hernández; González, Ángel, Vizcarrondo e Feltscher; Figuera, Rincón (Velazquez), Guerra e Seijas (Juanpi); Rondón e Martínez (Del Valle).
Técnico: Rafael Dudamel

UOL Esporte