quarta-feira, 22 de junho de 2016

Museu do Futebol lança documentário do projeto “Deficiente Residente”

(Foto: Divulgação)


Entre 2010 e 2015, o Museu do Futebol, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizou o projeto “Deficiente Residente”, onde pessoas com diversos tipos de deficiência foram integradas à equipe de atendimento do museu. Cada residência teve a duração de seis meses e contribuiu para novas maneiras de sociabilização, quebra de barreiras e de paradigmas no olhar e na mentalidade de todos os envolvidos.

O resultado da ação poderá ser conferido no documentário “Deficiente Residente”, que será disponibilizado no canal do Museu do Futebol no YouTube no dia 22 de junho, a partir das 10h. Simultaneamente, o público poderá conversar com a equipe do Núcleo Educativo em chat no site do Museu www.museudofutebol.org.br. A conversa vai até as 12h.

É a primeira vez que o Museu do Futebol realiza uma ação de lançamento 100% digital.“A ideia de lançar no canal digital é possibilitar o acesso a instituições e educadores de todo o Brasil. O documentário permite conhecer o conceito do projeto e esperamos que a iniciativa seja replicada em museus e instituições sociais.”, afirma Daniela Alfonsi, Diretora Técnica do Museu do Futebol. 

Com 30 minutos de duração, o documentário traz depoimentos dos residentes, da equipe do museu, entre outros, como de Amanda Tojal, especialista em inclusão em espaços culturais. “Foi importante e muito porque conheci outros lugares que não conhecia do Pacaembu e até aprendi palavras sobre “cristalinamente”, que era jogo de antigamente, jogo limpo. E aprendi o que era ter “espírito esportivo” que é saber competir.”, comenta Mario Paulo Bovino Greggio, residente da segunda edição, com síndrome de Asperger.

“Eu acho esse projeto muito importante. É uma inclusão efetiva. Não é uma inclusão ‘normal’. Eles foram atrás para fazer uma inclusão verdadeira no Museu.”, diz Fernanda Bucci, residente da quarta edição, com paralisia cerebral.

“Foi muito legal conhecer o trabalho, fazer amigos.”, afirma Luis Felipe Lima de Macedo, residente da quinta edição, com esquizofrenia.

O projeto dedicou cada ano a um tipo de deficiência: 2010, deficiência visual; 2011, deficiência intelectual; 2012, deficiência auditiva, 2013; deficiência física; 2014, transtorno mentais; e, em 2015, foram retomados todos os temas trabalhados nos anos anteriores.

Atualmente, o Museu do Futebol realiza o projeto “Museu Amigo do Idoso”, que tem como objetivo valorizar a experiência do visitante idoso ao museu. Desde abril, a primeira residente participa das rotinas do museu, atuando no atendimento ao público e contribuindo para a quebra de barreiras.

Para mais informações sobre as ações do Museu do Futebol, acesse www.museudofutebol.org.br.

(Foto: Divulgação)