quarta-feira, 20 de junho de 2018

Palmeiras sofre assédio de clubes do Oriente Médio por Keno, Willian e Moisés

(Foto: Estadão Conteúdo)


O Palmeiras tem trabalhado nos bastidores para manter as principais peças do seu elenco para a sequência da temporada. Além de Keno, que negocia sua transferência para o Al Nassr, da Arábia Saudita, o clube tem sofrido assédio de equipes do Oriente Médio pelo meio-campista Moisés e também pelo atacante Willian.

De todas as negociações, a tendência é que o Verdão concretize a transferência de Keno nas próxima semanas, desde que as exigências dos palmeirenses sejam atendidas. Os sauditas mantêm interesse no atleta desde janeiro e apresentaram recentemente uma proposta de cerca de R$ 35 milhões, valor rejeitado pelos alviverdes.

No fim de janeiro, após vencer a concorrência do Al Nassr, o Palmeiras renovou com Keno até o fim de 2021 e adquiriu 100% dos direitos econômicos do jogador. Desta maneira, o valor de uma futura negociação será integralmente do clube.

Peças importantes do atual elenco comandado por Roger Machado, Willian e Moisés não devem ser liberados. O Verdão vê na dupla importância fundamental para a sequência intensa de jogos decisivos da Libertadores, do Brasileirão e da Copa do Brasil.

O mesmo pensamento é válido para Antônio Carlos, que virou titular da defesa palmeirense e é alvo de clubes de Portugal.

Em evento no Paraguai para o sorteio das oitavas de final da Libertadores, no início do mês, o presidente Maurício Galiotte já havia admitido que o clube havia recebido propostas. Até o momento, o clube negociou Tchê Tchê com o Dínamo de Kiev, João Pedro com o Porto e Fernando com o Shakhtar Donetsk.

O Palmeiras volta aos trabalhos na Academia de Futebol na próxima segunda-feira, dia 25. De 28 de junho a 8 de julho, o clube fará excursão para Panamá e Costa Rica, onde disputará três amistosos.

Globo Esporte