sexta-feira, 27 de maio de 2016

Atlético monitora situação de Pato e pode copiar Corinthians em caso André

A procura do Atlético-MG por um atacante não é novidade para quase ninguém. Desde que chegou ao clube, na sexta-feira passada (20), Marcelo Oliveira reforça a necessidade de encontra um jogador para se tornar referência no setor ofensivo. Emprestado ao Chelsea, da Inglaterra, Alexandre Pato aparece como uma possibilidade.

A situação do jogador, que pertence ao Corinthians, é monitorada pelo departamento de futebol do clube desde dezembro do ano passado. Ele reúne admiradores na cúpula atleticana. O presidente Daniel Nepomuceno é fã confesso do atleta, de 26 anos. Ele já disse isso a pessoas próximas.

O diretor de futebol Eduardo Maluf também aprecia o trabalho do atacante que, após a passagem pelo Stamford Bridge, retorna ao Brasil no próximo mês. Durante a Florida Cup, ele chegou a conversar com dirigentes corintianos sobre a situação contratual do jogador.

Embora saiba das dificuldades, sobretudo devido aos concorrentes, o Atlético já se prepara para tentar a contratação de Alexandre Pato. A intenção é repetir o que foi feito com André pelo próprio Corinthians. Como o jogador tem vínculo com os paulistanos até dezembro de 2016, ele estará disponível para assinar um pré-contrato a partir de julho.

Contudo, mesmo que já firme compromisso com outra agremiação, Pato só poderá defendê-la em janeiro do próximo ano. No caso de acerto com o atacante, os mineiros iriam a São Paulo para buscar uma liberação do presidente Roberto de Andrade. O intuito é que seja feito um acordo para o jogador se transferir para a Cidade do Galo antes do previsto. A negociação é idêntica à que acarretou na ida de André para o CT Joaquim Grava.

O grande imbróglio da negociação é a questão salarial. O atacante tem vencimentos de R$ 800 mil mensais no Corinthians. Hoje, na Cidade do Galo, somente Robinho tem salário semelhante ao do jogador que defendeu o Chelsea neste primeiro semestre. O Rei das Pedaladas, no entanto, recebe dois terços de seu salário da DryWorld, fornecedora de material esportivo do Atlético.

UOL Esporte