quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Alfinetadas: São Paulo não soluciona problemas antigos e patina no futebol

(Foto: Marcos Ribolli)


O que poderia ser uma solução temporária dos problemas escancarou o que muito já se vê no São Paulo. A derrota para o Juventude por 2 a 1 no Morumbi pela Copa do Brasil demonstrou o quanto o ambiente são-paulino continua com turbulências "de sempre" e longe de ter um final.

Um exemplo desses problemas foi a conversa entre o zagueiro Lugano, considerado ídolo da torcida tricolor, e o lateral-direito Buffarini no banco de reservas. Os dois jogadores ficaram bastante tempo em um diálogo até depois do final da partida. O atleta argentino disse que o grupo precisa mostrar caráter e personalidade para superar os problemas agora bem mais evidentes depois da derrota dessa quarta-feira.

O São Paulo deixou nítidos os problemas internos e externos depois da era vitoriosa de Muricy Ramalho entre 2006 e 2008. Desde então, o clube busca se fixar novamente em grandes conquistas, como a Libertadores, por exemplo, mas as desavenças administrativas mostram uma realidade mais dura para o alcance desses objetivos. Nem mesmo o retorno de Muricy anos depois surgiu como efeito para amenizar o clima.

Outro problema que a equipe tem foi apostar em técnicos que desistiram do trabalho no meio do caminho. Foram os casos de Juan Carlos Osorio, que saiu do tricolor para ir para a seleção do México, e mais recentemente Edgardo Bauza, que assumiu o comando da seleção da Argentina. Com este último, o São Paulo investiu pesado em reforços, que não foram aproveitados na curta passagem de Bauza. Agora cabe a Ricardo Gomes assumir o comando de um clube instável dentro e fora das quatros linhas e que ainda não encontrou uma solução adequada para problemas dos últimos 3, 4 anos.

Pode até ser que a equipe se classifique na Copa do Brasil, mas é isso nem de longe é uma solução para apagar o incêndio. A necessidade é de uma diretoria que pense de modo equilibrado, e que não tome decisões por puro comodismo. Foi assim com o Palmeiras, por exemplo, quando Gareca pediu vários jogadores, mas depois abandonou o barco. Depois de muito tempo, Cuca mostra sinais de que acertou o time, que ainda é instável. 

E no São Paulo, até quando isso vai durar?

Temos condições de reverter', diz técnico após derrota do Flamengo

(Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo)


O técnico Zé Ricardo reconheceu a má atuação do Flamengo, mas tratou com naturalidade a derrota por 4 a 2 para o Figueirense pela Copa Sul-Americana. O comandante deixou claro que o Rubro-negro pode conseguir a classificação na partida de volta, que será disputada na próxima quarta-feira (31), às 21h45, em Cariacica. Os cariocas precisam ao menos de uma vitória por dois gols de diferença até o placar de 3 a 1.

"Não fizemos um bom jogo de forma coletiva. Não nos organizamos em nenhum momento. Mas temos condições de reverter o quadro em Cariacica na semana que vem", afirmou.

"Esse segundo gol nos deu um alento. Entramos desatentos e isso dificultou muita coisa. Vamos em frente", completou.

Antes do duelo contra os catarinenses, o Flamengo volta a campo pelo Campeonato Brasileiro no próximo domingo (28), às 16h, contra a Chapecoense, na Arena Condá.

UOL Esporte

Piloto que estreia no próximo GP é esperança de quebra de jejum de 20 anos

(Foto: Reprodução)


Ele fará sua estreia como piloto oficial da Fórmula 1 em uma equipe pequena, a Manor, neste final de semana, no GP da Bélgica, mas carrega uma grande expectativa: a de encerrar o maior jejum de vitórias entre os países mais tradicionais da história da categoria. O francês Esteban Ocon tem apenas 19 anos, mas já bateu Max Verstappen nas fórmulas de base e conta com o apoio da Mercedes - além de ser o piloto mais cotado para o cobiçado cockpit da Renault na próxima temporada.

O próprio Ocon admite que a chance de se tornar titular após a saída de Rio Haryanto da Manor, por falta de fundos de seus patrocinadores, o surpreendeu. "Não esperava ter essa chance tão cedo. Mas graças a todos os testes e à minha preparação, sinto-me pronto", garantiu. "Mas nunca pensei que teria essa oportunidade. Ao mesmo tempo, estou muito feliz e muito empolgado para correr pela primeira vez."

Toda expectativa depositada no francês tem seu fundamento. Ocon fez quatro anos em monopostos. Na Fórmula Renault, chegou ao pódio logo em sua primeira temporada e foi terceiro na segunda. Na Fórmula 3 Europeia, bateu Max Verstappen na disputa pelo título e, no ano passado, conquistou o campeonato da GP3.

Não demorou para o piloto ser disputado pela Renault e pela Mercedes. Atualmente, Ocon tem um contrato que o vincula à marca alemã e, inclusive, estava disputando o campeonato da DTM, na Alemanha, uma das competições de turismo mais importantes do mundo. Ao mesmo tempo, participava de algumas sessões de treinos livres pela Renault para ganhar experiência e acredita-se que os franceses estejam dispostos a pagar a multa recisória para tê-lo como piloto titular ano que vem. Enquanto isso, a Mercedes aproveitou a proximidade na relação com a Manor, equipe para a qual cede motores e em que já tem outro protegido, Pascal Wehrlein, para colocá-lo no time nas próximas nove etapas.

Mesmo com apenas 19 anos, Ocon já pode ser considerada a maior promessa da França, quarto país com mais vitórias na história da F-1, dos últimos anos. O país subiu ao pódio com Romain Grosjean em algumas oportunidades de 2012 para cá e viveu história semelhante à do novato com Jules Bianchi, que era protegido pela Ferrari, mas morreu em decorrência de acidente sofrido no final de 2014. Porém, não vê sua bandeira no lugar mais alto do pódio desde o GP de Mônaco de 1996, quando Olivier Panis, considerado uma zebra em prova marcada pela chuva, venceu. O último título de um piloto do país, contudo, foi conquistado por Alain Prost em 1993.

Ainda dando seus primeiros passos na Fórmula 1, Ocon não pensa na pressão e foca na preparação para entrar no cockpit a partir dos treinos livres da sexta-feira em Spa-Francorchamps. "Desde o anúncio, estou treinando duro. A preparação não é tão diferente do que estava fazendo para a DTM mas, antes de ir para Spa, vou me encontrar com minha nova equipe para acertar os detalhes do final de semana", explicou.

Os treinos livres da sexta-feira serão disputados a partir das 5h e das 9h pelo horário de Brasília. A terceira sessão será no sábado, 6h, pouco antes da classificação, que começa às 9h. A largada, no domingo, também será às 9h.

UOL Esporte

Napoli doará parte da renda do jogo contra o Milan a vítimas de terremoto

(Foto: Getty Images)


O presidente do Napoli, Aurelio de Laurentiis, doará parte da renda arrecadada com os ingressos do jogo contra o Milan, neste sábado, às pessoas afetadas pelo terremoto que abalo o centro da Itália na madrugada dessa quarta-feira.

A informação foi divulgada no site oficial do clube. De Laurentiis expressou sua tristeza pelas consequências do terremoto, que teve magnitude 6,2 e deixou pelo menos 247 mortos.

"Como todos, estou desconsertado pela tragédia. Conheço bem o lugar e as pessoas. Quando eu era pequeno, costumava passar muito tempo lá com a minha família", escreveu em sua conta no Twitter.

O Napoli se junta a outros representantes do esporte que se dispuseram a ajudar. Nessa quarta-feira, a Fundação Giovanni Agnelli, órgão criado em homenagem ao histórico presidente da Juventus, informou que doará 150 mil euros.

A partida contra o Mila será às 15h45 (de Brasília) deste sábado, no San Paolo, pela segunda rodada do Campeonato Italiano.

ESPN

Empreendedorismo no esporte é tema de livro na Bienal de São Paulo

(Foto: Divulgação)


A partir do dia 26 de agosto (sexta-feira), a cidade de São Paulo vai respirar literatura com a 24ª Bienal do Livro de São Paulo. Até o dia 4 de setembro, escritores, curiosos e apaixonados pela literatura nacional e internacional poderão conhecer de perto títulos consagrados, conferir lançamentos e ainda bater um papo com alguns autores convidados pela organização do evento.

Para os apaixonados pelo esporte, a Bienal traz no dia 3 de setembro, o lançamento do livro “Gestão e Novos Negócios na Educação Física”, do autor Luiz Moura Junior, onde ele aborda o mundo dos educadores físicos como um grande negócio, de como empreender na categoria, além de debater sobre as funções básicas de administração, estratégia competitiva, plano de negócios e marketing.

Formado em Direito pela Estácio de Sá e Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Moura se especializou na área de empreendedorismo com cursos no Brasil e mestrado em Portugal, além de ter trabalhado como professor de cursos superiores em universidades do sudeste do Brasil. Atualmente, o profissional está a frente da MKPRO Empreendedorismo e Inovação no Esporte, que auxilia os profissionais da área a ingressar no mercado de trabalho e a desenvolver o próprio negócio.

Luiz Moura estará disponível para sessão de autógrafos no dia 3 de setembro na Bienal do Livro das 10h às 11h.

Serviço
Gestão e Novos Negócios na Educação Física, de Luiz Geraldo de Souza Moura Junior
Editoria: SPZ
Ano: 2016

24ª Bienal do Livro de São Paulo
Endereço: Avenida Olavo Fontoura, nº 1209, bairro Santana, São Paulo (SP)
Local: Estande M071

Rugby em Cadeira de Rodas terá Austrália x Grã-Bretanha na partida de estreia do Rio 2016

(Foto: Rio 2016/Alex Ferro)


O Rugby em Cadeira de Rodas vai começar quente nos Jogos Rio 2016. A Federação Internacional (IWRF) divulgou a tabela do torneio Paralímpico, e a partida de abertura já é um clássico: a Austrália, que vai defender o título conquistado em Londres 2012 e é a atual campeã mundial, enfrenta a Grã-Bretanha na Arena Carioca 1, dia 14 de setembro, às 10h30. As duas equipes decidiram o evento-teste realizado em fevereiro e na ocasião os britânicos levaram a melhor.

No mesmo dia, às 12h45, os Estados Unidos, que estão em primeiro lugar no ranking mundial e foram medalha de bronze há quatro anos, jogam contra a França. 

O Brasil terá estreia difícil contra o Canadá, que ficou com a medalha de prata em 2012 e é o atual vice-campeão mundial. As equipes se enfrentam no último jogo do primeiro dia de competições, às 19h15. 

Coincidentemente, todas as seleções que estiveram no evento-teste realizado em fevereiro – Austrália, Grã-Bretanha, Brasil e Canadá - estão juntas no Grupo A. França, Japão, Estados Unidos e Suécia integram no Grupo B.

Rio 2016

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Paralimpíada bate recorde com 133 mil ingressos vendidos em apenas um dia

(Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB)


Desde o fim dos Jogos Olímpicos no último domingo, um sentimento de "vazio" tomou conta da população carioca, que passou duas semanas de intensa euforia com a realização, pela primeira vez, do maior evento esportivo no país. Porém, a "depressão pós-Jogos" parece estar passando e dando lugar a um novo sentimento: o de prestigiar os atletas que competirão na Paralimpíada, que tem início em 7 de setembro. Um exemplo disso é o aumento progressivo das vendas dos ingressos para os Jogos, que teve seu auge na última terça-feira (23 de agosto), com 133 mil tíquetes adquiridos e batendo o recorde de compras em um só dia.

- Estamos muito felizes com esses números, mostra, realmente, que está todo mundo abraçando os Jogos Paralímpicos. A gente vê nas redes sociais, nos sites, as pessoas vindo comprar os ingressos para conhecer o Parque e dar esse apoio adicional aos nossos atletas, que vêm de grandes conquistas - disse Donavan Ferreti, diretor de ingressos do Comitê Rio 2016. 

No último final de semana dos Jogos Olímpicos foram vendidos 66 mil ingressos para a Paralimpíada. No primeiro dia após a Rio 2016, a expressiva marca de 100 mil tíquetes adquiridos. Para Donavan Ferreti, esse aumento progressivo da procura pelas entradas é um reflexo do sucesso que foi a olimpíada no Brasil. 

- Foi um grande momento dentro dos Jogos Olímpicos, só que a gente quer repetir agora na Paralimpíada. Muita gente não teve oportunidade de ir ao Parque e, agora, sem dúvida, vai ter essa oportunidade. Essas arenas não vão estar mais lá depois dos Jogos Paralímpicos, então, é muito importante já garantir o ingresso. Vão ser momentos incríveis e inesquecíveis - afirmou. 

Com preços mais baratos dos ingressos em relação aos Jogos Olímpicos, a expectativa é que a Paralimpíada tenha como perfil mais famílias. O dirigente do Comitê Rio 2016 explica que isso se deve, também, ao fato de terem aumentado o número de ingressos adquiridos por cada pessoa. 

- Você pode pagar só R$ 10 para conhecer o Parque, quem tem direito a meia paga cinco reais e ainda parcela em três vezes sem juros. Tem que trazer sua família, seus amigos, vai ser uma festa inesquecível. E atendendo a pedidos, as pessoas estão trazendo famílias, grupos maiores e, por isso, aumentamos de oito para 12 ingressos comprados nas sessões de alta demanda e de 12 para 18 nas sessões de demanda regular. A gente quer que a pessoa venha, tenha um dia maravilhoso, apoie nossos atletas - concluiu. 

PARA COMPRAR OS INGRESSOS

Como comprar:
- É preciso ser maior de 18 anos e ter seu número de CPF (Cadastro de Pessoas Físicas);
- Ter um cadastro no site www.rio2016.com/ingressos. 
- O torcedor poderá escolher até seis sessões, selecionando de 12 a 18 ingressos;

Formas de pagamento:
- Em até 3x no cartão de crédito Visa (somente pelo site);

Meia–entrada:
- Pessoas acima de 60 anos e com qualquer deficiência (PCD) terão direito ao desconto em todas as categorias;
- Estudantes (em geral) e professores da rede municipal do Rio de Janeiro terão direito à meia-entrada na categoria de preços mais barata em todas as sessões; 

Bilheterias:

PARA RETIRADA DE INGRESSOS

- Apresentar o comprovante: cartão Visa utilizado na compra ou, se o torcedor utilizou a Solução de Pagamento Virtual Rio 2016, a imagem recebida por e-mail com os dados do cartão virtual mais identificação com foto;
- E-mail de confirmação contendo número do pedido e número do cliente;

Condições da entrega para terceiros:
Para que uma pessoa diferente do comprador retire os ingressos na bilheteria, é necessária uma procuração autenticada em nome da pessoa que irá retirar os ingressos, além dos documentos abaixo: 

- Cópia do RG do comprador dos ingressos
- Documento original com foto de quem for retirar os ingressos
- Procuração original assinada e autenticada pelo comprador
- E-mail de confirmação contendo número do pedido e número do cliente
- Cartão utilizado na compra

Globo Esporte

Federer e Nadal formarão dupla em torneio que homenageará lenda do tênis

(Foto: ALEX GOODLETT/GETTY IMAGES)


Nesta quarta-feira, aconteceu o anúncio oficial da Laver Cup, torneio exibição que reunirá importantes nomes do circuito mundial. Os atletas serão divididos em dois times, europeus e resto do mundo, e dois ícones da modalidade, Roger Federer e Rafael Nadal, já confirmaram presença.

Em Nova York, o anúncio foi feito por cinco representares de peso do tênis mundial. Além de Federer e Nadal, donos de 17 e 14 títulos de Grand Slams na carreira, respectivamente, ainda estiveram presentes o sueco Bjorn Borg, com 11 conquistas, e o norte-americano John McEnroe, com sete troféus de Majors.

Além deles, Rod Laver, um dos maiores da história do tênis mundial e que dá nome ao torneio, também participou do evento. O australiano venceu 11 Slams, sendo cinco deles na Era Aberta, único a conseguir os quatro Majors em uma única temporada.

Além disso, os fãs de tênis terão a chance de ver dois dos principais jogadores da atualidade e da história, Federer e Nadal, atuando juntos nas duplas. O suíço exaltou o conceito do torneio. "A ideia de Europa x Resto do Mundo é uma coisa que nunca tinha visto no tênis antes", disse o Maestro.

Quem está feliz com a chance de comandar essa dupla é Borg. "Quem não quer ser capitão de um time com Roger e Rafa?", disse o sueco.

Já McEnroe exaltou que o torneio pode ser muito bom para a modalidade. "Acredito que isso será algo muito bom para o tênis", completou o norte-americano.

A Laver Cup acontecerá em Praga, na República Tcheca, entre os dias 24 e 27 de setembro de 2017. Os jogadores se enfrentarão em jogos de simples e duplas. Entre os europeus, o capitão será Borg, e caberá a McEnroe comandar a equipe do resto do mundo.

ESPN

Em clássico no sul, Atlântico vence Carlos Barbosa e lidera a Liga Futsal

Murilo foi destaque do Carlos Barbosa com dois gols (Foto: Ulisses Castro / ACBF)

Por Nicholas Araujo
Erechim, RS


Em clássico na penúltima rodada da Liga Nacional de Futsal, a equipe do Carlos Barbosa visitou o Atlântico em Erechim e foi derrotada pelo placar de 5 a 4. Com ginásio lotado, a equipe da casa assumiu a liderança da competição com 35 pontos, enquanto a ACBF ficou na sexta colocação com 28 pontos.

Com boa presença da torcida, com mais de 3 mil torcedores, o Atlântico impôs seu ritmo e abriu o placar logo aos três minutos com Lucas. Um minuto depois, Marlon fez pela jogada na direita e passou para Murilo empatar o jogo. Com partida bem movimentada, o time de Erechim ficou novamente na frente com Garrincha, mas o Carlos Barbosa tratou de empatar com Murilo aos 17 minutos. Antes do intervalo, as duas equipes ainda marcaram mais um gol com Lé e Marlon, respectivamente, e o placar ficou em 3 a 3 no primeiro tempo.

Na etapa complementar, o jogo continuou movimentado e com belas jogadas. A ACBF virou o jogo aos 4 minutos com Kevin, após recuperação de bola no ataque. Aos 8 minutos, Café empatou para o Atlântico e colocou pressão nos visitantes. Aos 16 minutos, Lé virou para o clube de Erechim e segurou o placar. O Carlos Barbosa tentou ir ao ataque com goleiro-linha, mas o placar final foi de 5 a 4 para o Atlântico.

O Carlos Barbosa encerra a participação na primeira fase nesta sexta-feira (26) contra o Floripa, em casa, as 19h15. O Atlântico já encerrou seu compromisso na primeira parte da LNF e está classificado para a próxima fase.

Jogo foi bonito para os mais de 3 mil torcedores no Ginásio do CER Atlântico (Foto: Reprodução)

PF faz operação em duas confederações por suspeita de desvio de recursos

A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Controladoria Geral da União, deflagrou nesta quarta-feira (24) uma operação que investiga fraudes em licitações e desvio de recursos públicos cedidos pelo Ministério do Esporte, por meio de convênios. Batizada de Nemeus, a ação tem como alvos são as confederações brasileiras de tiro esportivo (CBTE) e taekwondo (CBTKD).

Ao todo, foram cumpridos 16 mandados judiciais no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Manaus e Caxias do Sul, em escritórios e residências de pessoas suspeitas de integrarem a quadrilha. Os policiais federais ainda fizeram notificação judicial de afastamento do presidente da confederação de taekwondo, Carlos Fernandes.

Só no Rio de Janeiro estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão, quatro conduções coercitivas e um mandado de prisão preventiva. Diligências estão sendo realizadas nas sedes das confederações envolvidas e em empresas ligadas às fraudes.

Em nota oficial, a PF informou que as investigações começaram há cerca de um ano, e a quadrilha vem fraudando licitações com o uso de documentos falsos, com a finalidade de realizar contratações e aquisições por preços muito acima do mercado.

Rede entre amigos foi armada para simular licitações
O uso de verba pública na preparação de atletas funciona assim: o Ministério do Esporte montou um programa de apoio às confederações olímpicas para as Olimpíadas de Londres-2012 e Rio-2016. Para isso, estabeleceu convênios com confederações e clubes esportivos. O dinheiro é público e, portanto, sujeito a regras de concorrência e licitação, mas são as entidades que o administram.

Os indícios apontam que a principal beneficiada é a SB Promoções, do Rio de Janeiro, que obteve contratos no total de R$ 2,4 milhões com verba de convênios do Ministério do Esporte. O UOL Esporte constatou que diversas concorrências vencidas por essa agência de marketing tinham a presença de empresas de familiares, amigos ou funcionários que perderam a disputa.

A SB Promoções ganhou 14 licitações ou contratos para prestar serviços de assessoria contábil e na organização dos convênios das entidades esportivas. Entre os contratantes, estavam as confederações de tiro esportivo, tiro com arco, taekwondo, esgrima, entidades paraolímpicas e clubes. No total, a empresa participa de convênios que somam R$ 24 milhões, ficando com cerca de 10% desse total para a gestão.

E como a SB Promoções conseguiu tal volume de negócios?
Para cada contrato é preciso fazer uma concorrência com três propostas diferentes. A reportagem descobriu indícios de que várias das propostas concorrentes à SB Promoções são de empresas de funcionários, familiares ou amigos dos sócios da SB, Sérgio Borges e Maria Aparecia Borges. 

É mais uma prova de que as licitações foram forjadas. O programa “Fantástico”, da Rede Globo, já descobrira que havia assinaturas falsas em algumas das propostas de concorrentes da SB. A Polícia Federal investiga o caso há dois anos e suspeita de fraudes nas disputas e desvio de dinheiro público que deveria ser aplicado na preparação de atletas olímpicos. 

Um exemplo da rede de empresas é a concorrência relacionada a serviços de viagem para seleções permanentes do vôlei paraolímpico, em 2011. A proposta é teoricamente feita pela Onze Marketing, de São Paulo. Mas essa empresa já negou em nota ter feito qualquer proposta de convênio para o Ministério do Esporte. 

Quem assina a proposta da Onze Marketing é Cristien Paterson. Esse é o nome de uma funcionária da SB Promoções à época. Cristien aparece em fotos obtidas pelo UOL Esporte em comemorações da empresa ao lado de Sérgio Borges, dono da SB. O registro do domínio de internet da SB está em nome de Cristien.

Em outro convênio, em 2015, a Confederação de Tiro Esportivo fez uma cotação de serviços de assessoria financeira para um projeto de viagens de atletas para torneios de preparação para o Rio-2016. Uma das concorrentes a apresentar proposta foi a Luxx Marketing, cuja responsável é Juliana Paterson, irmã de Cristien - há foto de ambas juntas. A Luxx Marketing fez uma proposta superior e perdeu a licitação para a SB Marketing.

UOL Esporte

Santos deve mandar jogo contra o Santa Cruz no estádio do Palmeiras

(Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)


O Santos pretende mandar o jogo contra o Santa Cruz, válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, no Allianz Parque. A partida está marcada para a Vila Belmiro, no dia 18 de setembro, domingo, às 11h (de Brasília), mas a diretoria santista já abriu negociações com o Palmeiras e a WTorre.

Para não falar que mandaria o jogo no estádio do rival paulista, Modesto Roma brincou com a iniciativa ao dizer que o Santos jogará no "estádio da WTorre", que detém o direito de uso da superfície da Arena por 30 anos.

"Tem reunião na sexta-feira com a WTorre. Quero mandar o jogo no estádio da WTorre. Posso mandar no Pacaembu que é da Prefeitura, no Morumbi que é do São Paulo...", afirmou Modesto Roma.

"Não tem preferência, temos que diversificar. Vamos analisar tudo ainda, temos que ver gastos, não podemos decidir sem conhecer custos. É só uma ideia. Conversei com o Paulo Nobre e perguntei se ele tinha algo a opor, ele disse que não. Conversei com a WTorre e eles gostaram da ideia", completou.

Apesar da recente rivalidade entre Santos e Palmeiras, que realizaram duas finais de competições no ano passado – Campeonato Paulista e Copa do Brasil – cercadas de polêmicas, Modesto Roma acredita que não enfrentará rejeição por parte do torcedor santista.

"O torcedor do Santos rejeitou quando jogamos no estádio do São Paulo? Bobagem! Podemos jogar no Pacaembu, no Morumbi, no Allianz. Por que não? É besteira esse tipo de rejeição", concluiu.

UOL Esporte

COB diz que manterá bonança da Rio-16, mas admite rever divisão de dinheiro

(Foto: Reprodução/Instagram)


O esporte brasileiro jamais teve tanto dinheiro quanto no último quadriênio. Impulsionado por sediar os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, o país investiu ao menos R$ 3,19 bilhões de recursos públicos na preparação de seus atletas de alto nível competitivo. Para o COB (Comitê Olímpico do Brasil), porém, essa nova realidade não será revista no período até Tóquio-2020. A entidade trabalha com a perspectiva de que esse patamar será mantido e prioriza uma revisão na divisão das receitas.

A ideia do COB é que o desempenho do Brasil na Rio-2016 e as perspectivas para 2020 devem servir como base para uma redistribuição estratégica de receita. A entidade pretende priorizar modalidades individuais e alocar mais recursos nos esportes que distribuam mais medalhas.

O exemplo usado pelo COB para esse raciocínio é o desempenho da Itália na Rio-2016. O país europeu conquistou 28 medalhas nos Jogos (oito ouros, 12 pratas e oito bronzes) graças a um bom desempenho em modalidades como esgrima e tiro esportivo. No Brasil, modalidades como essas ainda estão bem aquém do investimento direcionado a esportes coletivos.

“Temos de considerar aspectos culturais quando falamos em questões estratégicas sobre divisão de dinheiro, e o Brasil é um país com histórico em esportes coletivos. Mas isso é algo que podemos repensar, sim”, disse Jorge Bichara, gerente-geral de performance esportiva do COB.

“Desde o início da preparação para 2016, dissemos que o planejamento e a divisão das modalidades tinham vida. Vamos ter uma reanálise agora depois dos Jogos, e possivelmente elas vão trocar de posição”, completou Marcus Vinicius Freire, diretor-executivo de esportes a entidade.

Ainda que a divisão possa ser refeita, o COB não trabalha com perspectiva de que o dinheiro diminua no próximo ciclo. Na última segunda-feira (22), o ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB), disse que vai manter os programas de incentivo federal ao alto rendimento (Bolsa Atleta e Bolsa Pódio).

No último ciclo, o Ministério do Esporte despejou R$ 702,53 milhões em estrutura de instalações para atletas, R$ 223,18 milhões em logística e preparação e R$ 272,4 milhões nos programas Bolsa Atleta e Bolsa Pódio. É a maior fatia no financiamento público do esporte nacional.

“O formato de financiamento do esporte brasileiro mudou nos últimos anos, e isso foi favorável para nós. Isso nos dá muitas possibilidades. Acho que pode mudar um pouco, mas não temos uma dependência de apenas um financiador. Hoje o Brasil não depende de uma fonte só”, disse Marcus Vinicius Freire. “As confederações que fizeram um bom trabalho nos últimos seis anos vão continuar com patrocinadores privados. Muitos patrocinadores entraram, aproveitaram as possibilidades do esporte e tiveram retorno gigante”, adicionou.

UOL Esporte