Prefeitura do Rio dá último passo antes de licitação para novo autódromo

(Foto: Divulgação)


A Prefeitura do Rio de Janeiro publicou no Diário Oficial a abertura de uma Consulta Pública para obter opiniões e sugestões em relação ao projeto apresentado em junho deste ano para a construção de um novo autódromo na cidade, no bairro de Deodoro, Zona Oeste da cidade. É o último passo oficial antes de a Prefeitura lançar o edital de licitação para as obras. A consulta terá a duração de 30 dias a partir do próximo dia 20 de setembro.

A Consulta Pública é prevista em lei, e será feita depois de a Prefeitura ter analisado o projeto com suas equipes jurídicas e técnicas, e com a Procuradoria Geral do Município. Após chegar à conclusão de que o projeto é viável, a abertura da consulta foi publicada no Diário Oficial. A partir do dia 20, os interessados na concorrência poderão esclarecer dúvidas, enviar sugestões de alterações no projeto original ou até mesmo nas regras da licitação.

Passado esse período de 30 dias, no dia 20 de outubro, será feita a publicação do edital, para, enfim, a concorrência ser lançada. A Consulta Pública só é feita por uma Prefeitura quando, de fato, existem interessados na licitação.

Segundo a Consulta Pública, o contrato para construção e exploração do autódromo será de R$ 774 milhões, com duração de 35 anos. Pelo projeto apresentado há três meses, apenas recursos privados poderão ser utilizados nas obras.

Autódromo de nível máximo

O projeto prevê que o autódromo de Deodoro seja construído para atender aos mais altos níveis de segurança tanto da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) como da Federação Internacional de Motociclismo (FIM).

Aliás, as promotoras da MotoGP (Dorna) e da Fórmula 1 (Liberty Media) se reuniram em julho e estão em sintonia em relação aos traçados a serem utilizados eventualmente pelas categorias. Pelo desenho inicial, o traçado teria 5,3 quilômetros de extensão.

A FIM, inclusive, já assinou um protocolo de intenções para realizar uma etapa do Mundial de Motovelocidade no Rio de Janeiro na temporada de 2021.

Terreno do Exército está descontaminado

Uma das principais dúvidas em relação à viabilidade da construção de um autódromo em Deodoro, foi a descontaminação do terreno cedido pelo Exército. O solo tinha artefatos não detonados como armas e munições, mas não minas terrestres como chegou a ser ventilado.

O Exército fez uma análise minuciosa do terreno e, depois da retirada de todos os artefatos, foi constatado que o solo está totalmente limpo e, portanto, apto a receber intervenções. A descontaminação era uma exigência ambiental que os militares precisavam cumprir, já que existe uma pressão de órgãos ambientais de todo o mundo sobre os países que têm terrenos contaminados por artefatos bélicos não detonados.

Globo Esporte