domingo, 19 de agosto de 2018

Fraga vence com manobra ousada, e Zonta fatura prova marcada por desclassificações

(Foto: Duda Bairros / Stock Car)


A Stock Car viveu um domingo de muita confusão dentro e fora da pista em Campo Grande. Após um acidente que deixou três mecânicos feridos na corrida da divisão de acesso, a principal categoria do automobilismo nacional disputou sua rodada dupla no abrasivo asfalto de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Na corrida 1, Felipe Fraga fez uma ultrapassagem ousada e levou a melhor sobre o pole position Daniel Serra. Já na corrida 2, Ricardo Zonta venceu após muita discussão sobre uma série de pit stops sob safety car, que provocou a desclassificação de quatro pilotos, incluindo o líder do campeonato.

Manobra ousada dá vitória a Fraga na prova 1

Devido ao atropelamento de três mecânicos na prova da Stock Light, o início da prova foi atrasado em dez minutos, para que as ambulâncias estivessem a postos. Mesmo com o procedimento de safety car para evitar confusões na curva 1, com a largada autorizada penas na reta oposta, alguns acidentes aconteceram.

Daniel Serra manteve a ponta, seguido por Felipe Fraga. Mudanças, só na segunda fila, com Lucas di Grassi superando Cacá Bueno. Mas as esperanças de Lucas se esvaíram ainda na oitava volta, quando a barra de direção quebrou. O piloto da RCM teve que recolher aos boxes.

Na terceira volta, Valdeno Brito e Nelsinho Piquet se estranharam e acabaram fora da pista. Quando os carros retornaram ao traçado, deixaram o asfalto ainda mais suja que o habitual, o que prejudicou bastante a aderência. O primeiro efeito foi sentido justamente pelo líder da corrida: Daniel Serra pegou sujeira, alargou uma curva e acabou superado por Felipe Fraga. O piloto do carro 88 aproveitou para abrir uma vantagem de dois segundos antes da janela de pit stop.

O bom trabalho nos boxes devolveu Serra imediatamente à frente de Fraga. Mas o atual campeão não contava com a manobra ousada do campeão de 2016 algumas curvas depois: usando o botão de ultrapassagem, Felipe colocou o carro por fora, freou na sujeira, controlou uma atravessada e superou Daniel. Na volta 20, Max Wilson fez uma manobra parecida para tomar o terceiro lugar de Cacá Bueno.

A partir do último terço da prova, os pilotos optaram por não arriscar mais, preservando o equipamento no forte calor e no asfalto abrasivo de Campo Grande. Fraga venceu, seguido por Serra e Wilson. Cacá Bueno, Ricardo Maurício e Thiago Camilo completaram os seis primeiros.

Veja o top 10 da prova 1:

1. Felipe Fraga, 28 voltas em 42m12s393
2. Daniel Serra, + 1s860
3. Max Wilson, + 3s404
4. Cacá Bueno, + 6s567
5. Ricardo Maurício, + 8s548
6. Thiago Camilo, + 9s687
7. Átila Abreu, + 10s782
8. Gabriel Casagrande, + 11s815
9. Rubens Barrichello, + 16s430
10. Vitor Genz, + 17s077

- Eu sabia que hoje a gente tinha que ganhar essa corrida se quisesse seguir na disputa com o Daniel. O carro estava muito bom, mais rápido que o dele no começo da corrida, mas é muito difícil andar atrás de alguém aqui em Campo Grande. Mesmo assim a gente conseguiu fazer aquela ultrapassagem. Fiquei com o volante todo de lado, não sei como aconteceu aquilo. Mas eu fui para o tudo ou nada. Ele já está na frente no campeonato. Para mim, ser segundo ou último não fazia diferença – disse Fraga, ao sair do carro.

Veja quem ganhou o fan push em Campo Grande

No intervalo entre as duas corridas, foram anunciados os pilotos que ganharam o botão de ultrapassagem extra, garantido pelo voto popular na Internet: Max Wilson, Átila Abreu, Diego Nunes, Ricardo Maurício, Nelsinho Piquet e Thiago Camilo.

Com o grid invertido entre os dez primeiros, Vitor Genz largou na primeira posição e manteve a ponta quando a largada foi autorizada. Mas nem tudo saiu como esperado entre quem vinha atrás dele. Logo na primeira curva, Marcos Gomes, Max Wilson e Felipe Fraga se enroscaram, o que causou o abandono do vencedor da corrida 1 e também de Gomes.

Com Genz segurando bem a liderança, o destaque das primeiras voltas foi a intensa briga pelas outras posições, envolvendo Gabriel Casagrande, Rubens Barrichello, Átila Abreu e Thiago Camilo. Na entrada da volta 7, Rubinho usou o botão de ultrapassagem, freou por fora e conseguiu superar Genz, que foi superado por Átila logo na sequência. Cacá Bueno levou mais duas voltas, mas também passou ao grupo do top 3.

Na volta 12, Rubinho viveu uma situação muito parecida com a protagonizada por Lewis Hamilton no GP da Hungria, há duas semanas. Quando ia entrar nos boxes, foi orientado a permanecer na pista por conta de uma entrada do safety car – em função de uma batida de César Ramos. Rubinho chegou a diminuir a velocidade e apontar o carro para a entrada dos boxes, mas desistiu. Mesmo assim, foi superado por Átila Abreu.

A alegação da equipe Full Time era que o box estaria fechado, tornando o pit stop ilegal. Mesmo assim, Cacá Bueno, Valdeno Brito, Daniel Serra, Gabriel Casagrande, Ricardo Zonta e Thiago Camilo fizeram suas trocas. Pelo rádio, no entanto, os pilotos informaram que a informação de bandeira amarela não foi notificada no painel eletrônico do carro.

Após todos os pilotos irem aos boxes, a ordem da corrida passou a ser: Ricardo Zonta, Gabriel Casagrande, Valdeno Brito, Daniel Serra, Thiago Camilo e Cacá Bueno. Átila Abreu e Rubens Barrichello, que pararam em bandeira verde, vinham logo atrás deste pelotão. Mas o carro da equipe Full Time perdeu rendimento por um superaquecimento a cinco minutos para o fim da prova, e o vencedor da Corrida do Milhão perdeu várias posições.

Assim que foi dada a bandeirada, os comissários desportivos informaram que quatro pilotos dos seis envolvidos foram punidos pela confusão nos pit stops: Thiago Camilo, Gabriel Casagrande, Daniel Serra e Vandeno Brito. Sendo assim, Ricardo Zonta manteve a vitória e Cacá Bueno herdou a segunda posição. Segundo os comissários, a cronometragem apontou que eles já estavam na linha de box no momento do acionamento do carro de segurança. Átila Abreu, o primeiro a cruzar a linha de chegada entre os que fizeram seu pit stop em bandeira verde, ficou com o terceiro lugar.

Com muita polêmica, Ricardo Zonta vence a prova 2 na etapa da Stock Car em Campo Grande

Veja o top 10 da prova 2:

1. Ricardo Zonta, 27 voltas em 42m05s998
2. Cacá Bueno, + 30s236
3. Átila Abreu, + 34s708
4. Nelsinho Piquet, + 35s833
5. Felipe Lapenna,+ 36s838
6. Bia Figueiredo, + 38s306
7. Max Wilson, + 38s668
8. Rubens Barrichello, + 41s543
9. Allam Khodair, + 44s095
10. Guga Lima, + 45s252

Mesmo com a desclassificação na prova 2, Daniel Serra mantem a liderança no campeonato, com 191 pontos. Seu companheiro de equipe na RC, Max Wilson, foi a 148 e assumiu a segunda posição na tabela, um ponto à frente de Felipe Fraga, da CRT.

Campeonato após sete das 12 etapas:

1. Daniel Serra, 191 pontos
2. Max Wilson, 148 pontos
3. Felipe Fraga, 147 pontos
4. Marcos Gomes, 135 pontos
5. Rubens Barrichello, 129 pontos
6. Cacá Bueno, 116 pontos
7. Ricardo Zonta, 95 pontos
8. Julio Campos, 92 pontos
9. Átila Abreu, 92 pontos
10. Lucas di Grassi, 68 pontos

Acidente encerra prova 2 da Stock Light

Um acidente durante a parada obrigatória nos boxes encerrou prematuramente a prova 2 da Stock Light. Alguns mecânicos que trabalhavam nos pit stops foram atingidos por um carro que tinha acabado de fazer sua parada, mas que acabou tocado por um adversário na pista de rolamento.

Os feridos - Paulo Pegoraro, Maurício Masssoti e Juarez Ferreira - foram levados para a Santa Casa, a 20 minutos do Autódromo Internacional de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. As imagens captadas por um cinegrafiasta que gravava material para as equipes da categoria mostra que um dos envolvidos voou ao ser atingido, batendo com a cabeça no chão:

Com o resgate utilizando duas das seis ambulâncias disponibilizadas em diferentes pontos do circuito, a prova entrou em regime de safety car e acabou sendo encerrada prematuramente. Como já haviam sido percorridos 75% da distância prevista, os pontos foram distribuídos integralmente. A vitória ficou com Raphael Reis. Raphael Abbate e Enzo Borteleto completaram o pódio.

1. #77 Raphael Reis, 13 voltas
2. #26 Raphael Abbate, a 1s318
3. #85 Enzo Bortoleto, a 2s276
4. #35 Gabriel Robe, a 2s968
5. #58 João Rosate, a 4s394
6. #23 Marco Cozzi, a 5s336
7. #43 Pedro Cardoso, a 6s447
8. #11 Gaetano di Mauro, a 6s591
9. #99 Edson Coelho, a 7s421
10. #36 Pedro Boesel, a 9s193

Enzo Bortoleto segue líder do campeonato, com 156 pontos. Raphael Reis é o segundo, com 131 pontos. João Rosate vem em terceiro, com 120.

Globo Esporte