Pular para o conteúdo principal

ONG de atletas dispara contra George Hilton no Ministério do Esporte















A organização não governamental Atletas Pelo Brasil divulgou nesta segunda-feira comunicado no qual condena a nomeação do deputado federal George Hilton como Ministro do Esporte do governo da presidente Dilma Rousseff para o próximo mandato, sucedendo Aldo Rebelo. Na carta da ONG, os atletas se dizem "envergonhados" e apontam falta de critério para a escolha do cargo.

"Exigimos muito mais respeito e cuidado com tudo que envolve o tema Esporte no Brasil. O que está muito longe de acontecer quando constatamos os critérios, ou a falta deles, que foram usados para a escolha do novo ministro", escrevem. "A nomeação com critério unicamente político, na maior parte das vezes, traz consigo o aumento da ineficiência de gestão, descontinuidade da política, reinício de convencimentos e processos e tudo isso com custo aos cofres públicos", complementam.

George Hilton se descreve como teólogo, radialista, apresentador de TV e animador, e é pastor da igreja Universal do Reinao de Deus, evangélica. Ele não tem ligação estreita com o esporte. Para os integrantes do Atletas Pelo Brasil, a escolha mostra que o Ministério do Esporte é usado como barganha política.

"Infelizmente, há anos, o Ministério do Esporte é usado na barganha política. Não se trata de decidir quem seria a melhor pessoa para ocupar o cargo, mas qual partido o terá de acordo com as alianças e que decidirá a seu bel-prazer quem o representará. Nem mesmo uma familiaridade com o tema é observada, o que traz enormes prejuízos ao esporte e ao País em um setor que está à frente de um enorme investimento com os megaeventos esportivos", cita o comunicado.

"Às vésperas das Olimpíadas, a Presidente Dilma abriu mão de uma oportunidade de melhorar a gestão do esporte. Decepcionou todo um setor de atletas, jornalistas, empresários, organizações, trabalhadores e amantes do esporte em geral", escrevem.

Fazem parte do Atletas Pelo Brasil personalidades do esporte como Dunga, Kaká, Paulo André, Raí, Rogério Ceni, Rubens Barrichello, Bernardinho, Ana Moser, Oscar Schmidt, Hortência, Paula, Gustavo Borges, Fernando Scherer, Fernando Meligeni,  Lars Grael e Torben Grael.

UOL Esporte

Comentários