Pular para o conteúdo principal

Aumento da cota de clubes depende de revisão de orçamento da Conmebol

Em discussão jurídica, o novo contrato da Libertadores com a Fox terá um aumento pouco acima de 30%, mas quanto disso será repassado aos clubes ainda é uma incógnita. A Conmebol informou que ainda será preciso fazer uma revisão de seu orçamento para saber qual o incremento das cotas. E há uma negociação em curso entre Fox e Traffic pelo acordo que pode afetar os valores finais.

Questionado sobre qual o valor do novo contrato, o diretor geral da confederação sul-americana, Gorka Villar, negou-se a dar os números, alegando confidencialidade. A entidade tem dito que entrou em uma nova era de transparência.

Os clubes brasileiros também não foram informados sobre os montantes do novo contrato, nem sabem quais cotas vão ganhar. A expectativa é que essa informação saia no sorteio, em dezembro.

Mas o diretor de competições da Conmebol, Hugo Figueiredo, informou que o tamanho do aumento ainda depende de uma análise do orçamento da entidade para o próximo ano. Sua posição veio após reunião do comitê executivo da entidade nesta quinta-feira. Ou seja, não é certo o repasse de todos os ganhos para os clubes. As cotas são incluídas no regulamento.

Hoje, os clubes ganham apenas US$ 300 mil por jogo na primeira fase, uma taxa irrisória para o tamanho da competição e bem inferior a maioria dos campeonatos no Brasil.

Outro complicador é que a Traffic, envolvida no escândalo de corrupção descoberto pelo FBI, reivindica que tem um contrato válido para a Libertadores, juntamente com a TyC. A Conmebol alega que esse compromisso foi rompido.

Fato é que a Traffic negocia com a Fox uma revisão da estrutura do acordo que poderia envolver compras de direitos pela emissora. Neste caso, o valor a ser pago a Conmebol poderia ser afetado, assim como o orçamento para cotas do clube. Procurada, a Fox não se pronunciou.

A confederação se comprometeu em melhorar o pagamento dos times após muita reclamação. Por enquanto, essa é a única certeza.

UOL Esporte

Comentários