Pular para o conteúdo principal

Jogadores descobrem golpe ao tentar "comprar vaga" em time paulista

Rogério Vieira, vice-presidente do Comercial (Foto: Reprodução)Rapaz que se passava por Rogério Vieira usava fotos para convencer atletas (Foto: Reprodução)




O sonho de jogar futebol muitas vezes se torna um pesadelo. Além da seleção natural e do concorrido mercado futebolístico nacional, os esquemas de corrupção e pagamentos de propina para facilitar uma contratação de um determinado jogador dificultam ainda mais a vida de um atleta.  Os estelionatários, que se passam por empresários e dirigentes, não escolhem vítimas. O Comercial Futebol Clube, de Ribeirão Preto, que vai disputar a Série A3 do Campeonato Paulista, foi usado para aplicar golpes.

Um homem que se identificava como vice-presidente do clube, Rogério Vieira, pedia um “pedágio” para que os jogadores fossem contratados pelo clube e disputassem a Série A3 do Campeonato Paulista pelo Leão do Norte. Pelo menos dois empresários e três jogadores confirmaram ao GloboEsporte.com que caíram no golpe.

Ex-Botafogo-DF, um atleta, que preferiu não ser identificado, admitiu ter sido enganado, mesmo depois de tomar alguns cuidados. O meio-campista buscou informações sobre o suposto vice-presidente do Comercial e encontrou em um colega de time a segurança que precisava para fazer o pagamento e garantir uma vaga entre os 28 jogadores que disputariam a terceira divisão do estado de São Paulo pelo Leão do Norte.

- Esse suposto Rogério falou que conhecia o meu colega. Eu perguntei para o meu colega e ele falou que o Rogério era de confiança, que teria, inclusive, o levado para o Ferroviário do Ceará. Eu passei o contato desse rapaz que se passava por diretor do Comercial para um outro amigo, que ficou de me ajudar. Ele fez o depósito - comentou o jogador ludibriado.

O responsável pelo pagamento atende pelo nome de Nei. Segundo o jogador, ele teria depositado R$ 1.500, valor referente para empregar três atletas. O esquema era tão bem elaborado que o suspeito mandava uma falsa reserva de passagem aérea.

- Ele chegou até ver meu vídeo jogador. Por isso acreditei. Depois do pagamento, ele nos fez ir lá ao aeroporto com um código de reserva falso - explicou o jogador.

De acordo com as apurações, o suspeito escolheu o mercado de Brasília para aplicar os golpes. Um empresário da cidade, conhecido como Brian Robson, também caiu na fraude.

- Ele montou toda uma logística para dar a entender que realmente era o Rogério. Colocou, inclusive, uma foto no perfil de um aplicativo na internet. Eu paguei por dois jogadores. Inicialmente era R$ 1.000 cada um. Papo vai, papo vem, aquela coisa de acerto de contrato, ele disse que ficaria por R$ 500 e iria descontar mais R$ 500 no primeiro salário do jogador – explicou.

O golpe só foi descoberto porque um dos atletas procurou o Comercial Futebol Clube para esclarecer o problema das passagens.

 - Começou a ter esses problemas e um dos atletas ligou na sede do clube. Ninguém sabia da história. O Rogério Vieira verdadeiro descobriu e eu expliquei a situação – explicou o empresário, que acompanhou um dos jogadores registrar boletim de ocorrência. 

Comercial se defende
Vítima do golpe, o vice-presidente do Comercial, Rogério Vieira, lamentou que o nome dele e do clube estejam sendo usado para esse tipo de golpe.

- Fizemos um boletim de ocorrência. O Comercial jamais cobrou e jamais cobrará de jogadores. O Comercial não está fazendo testes com ninguém - disse o dirigente.
Rogério ainda afirmou que já recebeu diversas ligações de jogadores que também caíram no golpe.

- Hoje eu já recebi mais de 40 ligações. Muita gente querendo saber se o Comercial está fazendo teste. Isso não pode, é o nosso nome, o nome do clube - lamentou.

A reportagem conseguiu dois números de telefone do rapaz que se passava pelo vice-presidente do Comercial. Na primeira tentativa, uma pessoa que se identificou como "filho do Rogério Vieira" pediu para que retornasse a ligação mais tarde. No outro número, a ligação caiu na caixa postal. Mais tarde, em uma nova tentativa, a reportagem não obteve resposta. 

Globo Esporte

Comentários