Pular para o conteúdo principal

Técnico da seleção de basquete não liga para boicote. 'Sigo meu trabalho'

A ameaça dos seis clubes que disputam a Liga de Basquete Feminino (LBF) de boicotarem a Confederação Brasileira (CBB) não liberando suas jogadoras para defender a seleção brasileira no evento-teste da Olimpíada - entre os dias 15 e 17 de janeiro, em meio ao campeonato nacional - não tira o sono do técnico Luiz Augusto Zanon. O comandante garantiu que isso não afetará de maneira alguma a convocação que será feita até o início da segunda quinzena de dezembro.

"Praticamente todos sabem qual é o meu grupo e quais jogadoras vou chamar. Vou fazer normalmente a minha convocação e seguir com o planejamento. Esta questão do boicote é algo que tem de ser discutido entre clubes e CBB. Continuo com o meu trabalho. Se não liberarem, aí vamos ver o que acontece", disse Zanon em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Os clubes da LBF exigem mudanças urgentes na CBB e que a seleção feminina passe a ser administrada por um colegiado de técnicos.

A habilidade de Zanon para comandar o time nacional foi questionada por Ricardo Molina, gestor do Corinthians/Americana, e um dos idealizadores do movimento clamando mudanças.

"O Zanon se afastou do basquete feminino depois que assumiu a seleção. Voltou a trabalhar no basquete masculino (no São José). O Zanon teve sua oportunidade e não deu resultado. Falou-se tanto em uma renovação e o que temos visto é o Brasil dando vexames nas competições internacionais", afirmou ao UOL na terça-feira.

O treinador não quis responder aos ataques ao seu trabalho.

"Me sinto triste com isso e ao se falar de um colegiado técnico está se menosprezando a hierarquia existente. Mas não gosto de ficar respondendo a este tipo de crítica de dirigente ou outro técnico. Se fizerem uma crítica técnica ou falarem sobre uma determinada jogadora, eu explico. Mas não ficarei batendo boca", disse Zanon.

O treinador só fez questão de explicar o porquê de não estar presente no evento de lançamento da LBF na última semana e ao jogo de abertura entre o Corinhtians/Americana e o Santo André.

"Faz 14 dias que estou sofrendo com uma hérnia de disco e passei três dias hospitalizado. Estou fazendo tratamento direto. Não tinha a menor condição física de ir", disse Zanon.

UOL Esporte

Comentários